Ibovespa volta a operar após cair 10% e suspender operações

Bolsa de Valores brasileira desceu para 88,6 mil pontos às 10h19 desta segunda-feira (09/03) devido ao coronavírus e à crise do petróleo

atualizado 09/03/2020 12:57

A Bolsa de Valores brasileira retomou as operações às 11h08 desta segunda-feira (09/03), após acionar o circuit breaker. Em meio ao avanço do novo coronavírus e a crise no petróleo, o Ibovespa abriu com uma queda acentuada de 10%. Com isso, foi preciso interromper os negócios para rebalancear compra e venda.

Nos primeiros 20 minutos aberto, o Ibovespa registrou uma baixa de 9,5%, alcançando 88,6 mil pontos às 10h19 desta segunda.

Os preços das ações são fortemente afetados pela queda no preço do petróleo no mercado internacional — a maior em um único dia desde a Guerra do Golfo, em 1991.

A bolsa brasileira fechou a última sexta-feira (06/03) em 97,9 mil pontos, segundo registro da B3, empresa de infraestrutura de mercado financeiro.

A resultado do Ibovespa é influenciado também pelo recuo dos preços de contratos do petróleo. Isso porque a Arábia Saudita reduziu o valor, abrindo o caminho para um forte aumento da produção em abril.

Para se ter uma ideia, o preço do petróleo do tipo Brent chegou a recuar 31%, no maior tombo desde a Guerra do Golfo, que ocorreu entre 1990 e 1991.

Dólar

A queda de preço do petróleo e as contaminações de coronavírus também pressionam o dólar. Nesta segunda-feira (09/03), a moeda estadunidense chegou a ser vendida a R$ 4,79 na abertura dos mercados. A alta chega a 3,4%.

Antes da abertura dos mercados, o Banco Central anunciou venda de US$ 1 bilhão. Esta é mais uma tentativa de controlar o preço. Ao todo, a autoridade monetária vendeu US$ 3 bilhões.

A venda de dólares no mercado à vista é uma estratégia diferente da que vinha sendo adotada até a semana passada, quando o BC atuava no câmbio por meio de contratos de swap cambial, um instrumento financeiro que funciona como uma espécie de oferta da moeda no mercado futuro.

Queda nas bolsas

O dia é marcado por quedas em bolsas ao redor do mundo por medo do novo coronavírus e disputa de preços de petróleo entre Arábia Saudita e Rússia. O óleo teve a maior redução desde 1991, quando a desvalorização era puxada pela Guerra do Golfo.

Na Ásia, as Bolsas da China, seguindo o mau humor generalizado dos mercados financeiros, fecharam em queda. O principal índice acionário do país, o Xangai Composite, teve recuo de 3,01%.

Na Europa, os mercados abriram a manhã desta segunda-feira (09/03) com queda generalizada. O petróleo também mantém ritmo de recuo. (Com informações da Agência Estado)

Últimas notícias