“É feio, mas não é tão cruel”, diz Guedes sobre imposto semelhante à CPMF

O ministro da Economia defendeu a criação de um imposto sobre transações digitais

atualizado 16/07/2020 18:02

Ministro da Economia concede entrevistaIgo Estrela/Metrópoles

Ao defender a criação de um imposto sobre transações digitais nos moldes da antiga CPMF, o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que o novo tributo “é feio, mas não é tão cruel”.

A proposta é cobrar tributo entre 0,2% e 0,4% sobre transações digitais. Para o ministro, a taxação permitirá a redução de outros impostos, em um contexto de regimes de trabalho mais flexíveis.

“O imposto sobre transações financeiras é feio, mas não é tão cruel. E vai ter que escolher entre algo que seja feio, mas não tão cruel, porque a pandemia revelou que, entre o mundo da CLT e o mundo da assistência social, existem 38 milhões de invisíveis, que são vítimas dos encargos trabalhistas, do excesso de impostos sobre a folha, que perderam a oportunidade de integrar à economia formal por causa disso”, defendeu, em entrevista à Rádio Jovem Pan nessa quarta-feira (15/7).

Porém, a abrangência do novo imposto é um dos itens ainda não decididos pela equipe econômica. O objetivo de Guedes é atingir toda economia digital e o comércio eletrônico, podendo incluir na proposta transações financeiras feitas exclusivamente pela internet e pagamento de boletos.

Guedes quer retomar o plano já discutido no ano passado para reduzir os impostos sobre a folha de pagamento das empresas.

0

Últimas notícias