Brasil registra redução de 19% nas solicitações de refúgio

Ministério da Justiça sugere que há uma “substituição” dos imigrantes venezuelanos que buscam residência no país

Igo Estrela/MetrópolesIgo Estrela/Metrópoles

atualizado 11/11/2019 11:15

As solicitações de refúgio no segundo quadrimestre de 2019 apresentaram queda de 18,7% em relação ao mesmo período de 2018. Entre maio e agosto deste ano, o Brasil registrou 25,6 mil pedidos de refúgio. No mesmo período do ano passado, foram registrados 31,4 mil pedidos. A redução foi puxada pela diminuição de pedidos feitos por venezuelanos.

Os dados são do Relatório de Conjuntura: tendências da imigração e refúgio no Brasil, elaborado pelo Observatório das Migrações Internacionais (OBMigra) e divulgado pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública nesta segunda-feira (11/11/2019).

Segundo o coordenador estatístico do Obmigra, Tadeu Oliveira, a queda sugere que esteja havendo uma “substituição” dos imigrantes venezuelanos que buscam a solicitação de refúgio pelo pedido de residência.

“Antes, os venezuelanos solicitavam o refúgio para garantir a sua entrada no Brasil. Nos últimos meses, observamos que eles mudaram essa estratégia e estão fazendo pedidos de residência. Por isso, em parte, as solicitações de refúgio caíram”, afirmou Oliveira.

A Venezuela sofre a pior crise política, econômica e social da história em meio às disputas entre oposicionistas e o governo do presidente Nicolás Maduro.

Segundo o governo brasileiro, mais de 480 mil venezuelanos foram atendidos pela Operação Acolhida, que auxilia os imigrantes desde a passagem pela fronteira. Brasil, Colômbia, Peru e Chile são os principais destinos dos refugiados.

Desde o início da crise humanitária na Venezuela, em 2014, o Brasil recebeu mais de 115 mil solicitações de refúgio e outros 90 mil pedidos de residência temporária.

Segundo a secretária nacional de Justiça e presidente do Conselho Nacional de Migração, Maria Hilda Marsiaj, no cenário internacional de migração, o refúgio e migração vem ocupando uma agenda de primeiro escalão nos governos.

“No Brasil é cada vez maior o contigente de imigrantes e refugiadas. Este aumento é constatado através do número de vistos, autorizações e solicitações de refúgio e registro de imigrantes e refugiadas no país”, afirmou Maria Hilda Marsiaj.

Apesar da redução total das solicitações, houve, no segundo quadrimestre deste ano, um aumento dos pedidos de refúgio no Brasil entre os haitianos, que representam 23% do total das solicitações.

O estado de Roraima é o principal destino dos solicitantes de refúgio no país, com 81% das solicitações registradas no segundo quadrimestre. Em seguida, está o Estado de São Paulo, com 9,4%, e do Mato Grosso do Sul, com 4,7% das solicitações no mesmo período.

Últimas notícias