Quer perder peso? Coma só quando sentir fome, sugere pesquisa

Estudo feito com 6 mil jovens adultos de oito países mostrou que pessoas que comem intuitivamente têm melhor saúde física e mental

atualizado 11/08/2022 11:49

Homem conferindo a geladeira Getty Images

Comer intuitivamente, ou seja, quando sentimos fome, é a melhor estratégia para perder peso, segundo uma pesquisa feita por cientistas do Centro de Ciências da Saúde da Rutgers University, de Nova Jersey, nos Estados Unidos.

O estudo publicado no British Journal of Health Psychology, na segunda-feira (8/8), revelou que as pessoas que não seguem dietas restritivas ou não comem para compensar estresse e tristeza, por exemplo, têm maior autoestima.

“Mensagens culturais sugerem constantemente que é importante ignorar os sinais de fome e saciedade de nossos corpos, mas confiar em nossos corpos e comer quando sentimos fome parece ser melhor para a saúde psicológica e física”, escreveu a psicóloga e principal autora do estudo, Charlotte Markey.

Os pesquisadores analisaram os hábitos alimentares de 6 mil jovens que responderam a questionários on line. Os participantes também informaram o índice de massa corporal (IMC) e responderam perguntas sobre autoestima.

A alimentação foi classificada em três estilos: intuitiva, emocional e restrita. A emocional ocorre quando uma pessoa se alimenta quando está estressada ou triste, afim de tentar compensar emoções. A restrita é aquela que tem como objetivo manter ou perder o peso por meio de dieta. A intuitiva é aquela mais afinada com as necessidades físicas do corpo.

Melhores dietas para comer saudável

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
Publicidade do parceiro Metrópoles 3
Publicidade do parceiro Metrópoles 4
0

Em geral, os participantes que comiam intuitivamente eram mais propensos a se sentirem felizes com os próprios corpos. Elas tinham maior autoestima e menor peso, de acordo com os pesquisadores.

Em contrapartida, aqueles que se alimentavam para suprir necessidades emocionais ou seguiam dietas restritivas tinham maior IMC e eram menos satisfeitos com seus corpos. Para os pesquisadores, estar em sintonia com os sinais do corpo demonstrou ser mais importante do que seguir uma dieta.

“Esta pesquisa está em sincronia com as evidências de que a dieta é ineficaz tanto para a perda de peso quanto para a satisfação corporal e muitas vezes contraproducente. Devemos procurar estar mais em sintonia com nossa própria fisiologia do que com a última dieta ou plano alimentar da moda”, disse Charlotte.

Receba notícias do Metrópoles no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/metropolesurgente.

Mais lidas
Últimas notícias