Papa Francisco recua mão para que fiéis não beijem anel. Veja vídeo

Cenas repercutem nas redes sociais e dividem opiniões. Biógrafo do religioso disse que ele é "o vigário de Cristo, e não imperador romano"

BENHUR ARCAYAN/MALACAÑANG PHOTO BUREAUBENHUR ARCAYAN/MALACAÑANG PHOTO BUREAU

atualizado 27/03/2019 7:44

Uma cena curiosa chamou a atenção após vídeo do papa Francisco recebendo fiéis em um santuário católico em Loreto, na Itália, viralizar. Na segunda-feira (25/3), quando as pessoas tentaram beijar o anel do líder religioso, ele recuou bruscamente a mão.

Um site católico conservador, o LifeSiteNews, que frequentemente critica o papa, chamou o episódio de “perturbador” na manchete de um artigo que incluía uma longa história dos anéis que os papas usam e de seu significado.

No Twitter, houve quem não entendesse a ação, criticasse e, também, defendesse. O biógrafo papal Austen Ivereigh, defensor de Francisco, contra-atacou: “Ele está se certificando de que eles se envolvam com ele, não o tratem como uma relíquia sagrada. Ele é o vigário de Cristo, não um imperador romano”.

 

A defesa também veio do padre jesuíta Russell Pollit: “É hora de o hábito de beijar os anéis dos bispos desaparecer por completo. É ridículo e não tem nada a ver com tradição. É uma importação das monarquias. Grande parte da pompa em torno dos bispos deveria ser descartada”.

 

Segundo o jornal britânico The Guardian, o Vaticano não disse por que Francisco insistiu em não ter o anel beijado na longa fila de recepção.

O item de ouro, chamado de “anel do pescador”, em referência a São Pedro, que era um pescador, é destruído depois do fim do papado. Ou seja, quando o sucessor assume, uma nova peça é construída. De acordo com jornais italianos, Francisco evita ter a mão beijada porque pensa ser esse um modo excessivo de reverência.

Observadores do Vaticano destacaram que Bento 16 e João Paulo II, antecessores de Francisco, também não gostavam de ter suas mãos beijadas.

Últimas notícias