Hospital pediátrico é atacado em Lugansk; 7 crianças estavam no local

Ataque ocorreu em região separatista pró-Rússia. Além das crianças, 15 adultos foram retirados às pressas do local

atualizado 22/03/2022 16:28

Militares ucranianos fazem vistoria em ambiente externo de um shopping bombardeado pela força aérea da Rússia em Kiev - MetrópolesAlejandro Martinez/Anadolu Agency via Getty Images

Um hospital pediátrico foi bombardeado e pegou fogo na região separatista de Lugansk, na Ucrânia. Sete crianças e 15 adultos foram resgatados do local.

As informações foram divulgadas nesta terça-feira (22/3) por agências internacionais de notícias. A autoria do ataque foi atribuída aos russos, segundo serviços de emergência ucranianos.

As cidades de Lugansk e de Donetsk, na região de Donbass, são separatistas pró-Rússia. Lá, tropas russas não estariam executando bombardeios.

“Felizmente, todos os pacientes, as suas mães e funcionários foram retirados em tempo”, disse o responsável militar da região, citado pela agência de notícias ucraniana Ukrinform.

Guerra

A guerra chegou ao 27º dia nesta terça. Russos e ucranianos ainda não chegaram a um consenso sobre cessar-fogo.

Ministros dos dois países falaram acerca das suas expectativas para os próximos dias. A Rússia cobrou celeridade nas negociações de paz. Na contramão, a Ucrânia acredita em, ao menos, mais três semanas de bombardeios.

0

O ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmitro Kuleba, disse que a guerra deverá acabar em duas ou três semanas. Segundo o ministro, a Rússia tem poucos suprimentos para continuar a investida militar.

Nesta terça, o porta-voz do governo do Kremlin (sede do governo russo), Dmitri Peskov, pediu que as negociações fossem retomadas. “Gostaria que as negociações fossem mais enérgicas, mais substanciais”, destacou o representante de Vladimir Putin.

Zelensky quer reunião

Na tentativa de uma reunião com Putin, o líder ucraniano, Volodymyr Zelensky, admitiu que pode entregar o controle de regiões separatistas, como Donbass e Crimeia, anexada ao território da Rússia em 2014.

Nesta terça-feira (22/3), em entrevista exibida pela TV estatal ucraniana, Zelensky voltou a propor uma conversa com Putin para discutir o fim da guerra.

“Se eu tiver essa oportunidade e a Rússia tiver o desejo, poderemos abordar todas as questões. Resolveríamos tudo lá? Não, mas existe a possibilidade de que possamos ao menos parar parcialmente a guerra”, destacou.

ONU dá ultimato

Prestes a completar um mês, o conflito no Leste Europeu parece longe do fim. A Organização da Nações Unidas (ONU) deu um ultimato para o fim da guerra e frisou que as negociações — que, nos últimos dias, estão estagnadas — devem continuar.

Nesta terça-feira, em entrevista a repórteres de agências internacionais de notícias, o secretário-geral da ONU, António Guterres, cobrou categoricamente o fim da guerra na Ucrânia.

“Esta guerra não é vencível. Mais cedo ou mais tarde, terá de passar dos campos de batalha para a mesa de paz. Isso é inevitável. A única questão é quantas vidas mais devem ser perdidas? Quantas bombas mais devem cair?”, alertou.

Mais lidas
Últimas notícias