Como tem sido a reação nos locais onde o futebol se prepara para voltar

Testes positivos para o coronavírus e revolta de jogadores colocam em cheque os méritos do retorno do esporte

atualizado 13/05/2020 13:02

O futebol alemão retorna, neste fim de semana, com a presença de grandes times e jogadores em campo. Na Espanha, Messi, Hazard e outros grandes craques já voltaram a treinar pelos gigantes Barcelona e Real Madrid. No Brasil, Grêmio e Internacional reocupam seus centros de treinamentos e outras equipes, como o Flamengo, fazem testes em seus funcionários e jogadores, se organizando para um iminente retorno.

Enquanto o mundo ainda combate a epidemia de coronavírus, fazer o esporte retornar neste momento pode ser considerado uma medida prematura? A julgar pelos resultados dos exames feitos, sim.

Em meio a conversas sobre retorno aos treinos, o Flamengo realizou 293 testes, na semana passada, em funcionários e jogadores. Trinta e oito membros do clube testaram positivo para a Covid-19, entre eles, três jogadores do time profissional. No Rio Grande do Sul, um novo decreto proibiu que Grêmio e Internacional continuassem com seus treinos. Além disso, Diego Souza e mais dois funcionários do tricolor gaúcho estão com coronavírus.

Pelo mundo

Um dos únicos campeonatos no mundo, e o único na Europa, que não pararam em meio à pandemia, a Bielorrússia já começou a rever sua posição frente ao vírus. Na última segunda-feira, o país foi obrigado a adiar duas partidas de seu campeonato, após casos suspeitos de Covid-19.

Em Portugal, a previsão de retorno do campeonato local para o fim de maio talvez também tenha de ser revista. Quatro clubes anunciaram que têm jogadores diagnosticados com coronavírus, entre eles, o Benfica, atual campeão e vice-líder da temporada. No total, são nove atletas da Liga Portuguesa infectados.

0
Premier League

O mundo todo aguarda a decisão do principal campeonato nacional de clubes do mundo. Na segunda, o governo britânico deu sinal verde para que a Premier League retornasse a partir de 1º de junho. Os jogadores, no entanto, parecem discordar, vigorosamente, da decisão.

Raheem Sterling, estrela do Manchester City, revelou que teve mortes próximas a ele e condenou o retorno do esporte neste momento. “Tive amigos cujo as avós faleceram (por conta do coronavírus). Tenho membros na família que também morreram. Você precisa ser sábio e cuidar de si e das pessoas em volta”, disse o jogador. “No momento em que voltarmos, precisa ser um momento em que não seja apenas por razões futebolísticas, que seja seguro não apenas para nós, jogadores, mas para toda a equipe médica, árbitros.”

Danny Rose, do Tottenham, foi ainda mais energético em sua observação sobre o retorno do futebol. “O governo está dizendo que estamos trazendo o futebol de volta porque vai aumentar a moral do país. Eu estou pouco me f… para a moral do país, a vida das pessoas está em risco. A volta d futebol não devia nem ser cogitada até que os números diminuíssem substancialmente”, disse o jogador em uma live em sua conta no Instagram.

Embora a volta do futebol encontre resistência por diversas partes, é importante lembrar que os países que estão encaminhados para que o esporte volte, têm tomado todas as providências possíveis e recomendadas pelos órgãos de saúde para diminuir o risco de contágio. Entre elas, realizar as partidas com portões fechados, treinos com distanciamento social e fazer testes amplos nos jogadores e funcionários das equipes.

Vídeos
Últimas notícias