*
 

O governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg (PSB), protagonizou um bate-boca acalorado na noite dessa quarta-feira (7/2) no restaurante Cantucci da 403 Norte. O chefe do Executivo local foi abordado por um grupo de pessoas que cobrava melhorias nos serviços públicos, principalmente, na saúde. Após gritos de provocação, Rollemberg perdeu o controle, discutiu, e chegou a apontar o dedo para uma mulher mais exaltada.

Os manifestantes fizeram uma paródia com a música “O bêbado e o equilibrista”, composição de João Bosco e Aldir Blanc, eternizada na voz de Elis Regina: “Caía a tarde feito um viaduto. E o Rollemberg roubando o nosso salário bruto…”.

Uma mulher protestou contra as filas dos hospitais, que não param de crescer, e reclamou da falta de equipamentos nas unidades de saúde. “Trabalho em uma empresa de material hospitalar. Todos os dias tem gente querendo comprar algo. Não tem material (na rede pública). Você sabia que alguns meses atrás não tinha nenhum médico plantonista nos hospitais do DF?”, bradou a manifestante.

Em resposta, o governador questionou se o grupo apoiava a corrupção. “Vocês estão defendendo a turma da Lava Jato? Estão defendendo a turma da corrupção? A corrupção que assolou este país?”, disse. Uma das mulheres chegou a sugerir que o governador e sua equipe experimentassem fazer tratamento em um hospital público. A primeira-dama, Márcia Rollemberg, que estava ao lado do marido na hora da discussão, recupera-se de um câncer no endométrio descoberto no ano passado.

Revoltado com a provocação, Rollemberg revidou: “Você sabe quem causou essas situações no hospitais públicos? Eu estou resolvendo”. Em nota, a comunicação do GDF informou que ele estava em um restaurante celebrando o aniversário da primeira-dama. “No meio da comemoração, um grupo o interpelou, com ofensas e xingamentos. Rollemberg defendeu o governo e questionou se os manifestantes estavam apoiando os investigados na operação Lava Jato”, diz o texto.

No dia do desabamento do viaduto (6/2), Rollemberg foi vaiado quando chegou ao local do desastre. As manifestações de descontentamento contra o governador já ocorreram em outras circunstâncias, como shows e eventos públicos.