PCDF identifica conta que chamou motorista de app assassinado

Uma mulher pode ter emprestado a conta para os bandidos agirem. Essa é uma das linhas de investigação pela morte de Tiego Cavalcante

Vinicius Santa Rosa/MetrópolesVinicius Santa Rosa/Metrópoles

atualizado 14/10/2019 19:00

O motorista de aplicativo de transporte Tiego Cavalcante, 28, teve o celular e a carteira roubados ao ser assassinado na Área de Desenvolvimento Econômico (ADE) de Samambaia, na noite de sexta-feira (11/10/2019). Tiego foi um dos dois profissionais mortos neste fim de semana enquanto trabalhavam. A solicitação do serviço veio do aplicativo de uma mulher.

Na sexta-feira, Tiego recebeu a última chamada para uma corrida às 17h40. Cerca de três horas depois, ele foi encontrado sem vida, de barriga para cima, com um tiro no rosto, na Quadra 517 de Samambaia.

“Ele pegou um passageiro que não sabemos quem era. Podem ser vários. Fazendo as contas, pela chamada, e levando em consideração o trânsito intenso desse horário, ele chegou por volta das 18h40. Sabemos que ele foi morto entre 20h e 20h30. Então, houve esse intervalo de tempo, em que precisamos saber o que aconteceu”, relatou o delegado Pedro Luís de Moraes, chefe da 32ª Delegacia de Polícia (Samambaia).

O policial afirmou que ainda não sabe se o disparo foi dado dentro ou fora do carro, um Chevrolet Onix alugado (foto em destaque). “Mas acreditamos que foi dentro, porque há sangue no interior”, pontuou. O veículo foi apreendido pelos policiais e, então, periciado. O laudo, porém, ainda não foi concluído.

Linhas de investigação

Ainda segundo o delegado, a solicitação da corrida veio aplicativo de uma mulher já identificada. “Temos a qualificação dessa pessoa, mas não conseguimos contato ainda”, disse. Para os policiais, ela pode ter emprestado a conta dela para os bandidos que cometeram o crime.

Investigada, ela não possui passagens pela polícia, mas tem filhos com antecedentes criminais. “É difícil que ela tenha sido roubada. Caso contrário, teria comunicado o roubo”, avalia o delegado. Após o crime, a perícia encontrou pacotes de cocaína, LSD, ecstasy e uma outra droga não especificada no veículo.

Há outra linha de investigação. “O carro foi encontrado perto do Tatico [supermercado]. Quando achamos, dois indivíduos estavam empurrando o carro. Eles foram presos pela PM por tentativa de furto, mas acabaram soltos. Sobre o assassinato, eles negaram participação”, contou Moraes.

Vinicius Santa Rosa/Metrópoles
Pedro Luís de Moraes, delegado chefe da 32ª Delegacia de Polícia, em Samambaia

O Onix preto alugado por Tiego se encontrava parcialmente queimado por dentro ao ser localizado. Além disso, um dos dois homens que estariam tentando roubá-lo estava sangrando quando foi abordado. “Já temos os dois como suspeitos. Eles têm passagens por uso de drogas e estavam lá empurrando o carro exatamente naquele momento. É bem suspeito”, acrescentou.

Qualificação

Por ainda não terem conhecimento da dinâmica do crime, os investigadores não definiram uma qualificação. “Estamos entre latrocínio e homicídio. Entretanto, ainda temos que seguir algumas linhas de investigação para termos mais informações”, finalizou Pedro Luís de Moraes.

A polícia ainda busca contato com a família de Tiego. Segundo um amigo, o barbeiro Jonathan Gonçalves, 28 anos, o rapaz foi cremado nesta segunda-feira (14/10/2019), em Valparaíso (GO).