metropoles.com

“Morte fria e cruel”, diz mãe de vítima de feminicídio no DF

Priscila Teixeira de Santos, 33 anos, foi encontrada morta pela mãe nessa quarta (29). Namorado é suspeito de tê-la assassinado

atualizado

Compartilhar notícia

Reprodução
Mulher branca e loira sorrindo para foto
1 de 1 Mulher branca e loira sorrindo para foto - Foto: Reprodução

A técnica de enfermagem Márcia Pereira de Oliveira, 62 anos, busca respostas para o assassinato da filha Priscila Teixeira de Santos (foto em destaque), 33. Ela encontrou o corpo da filha na QNH 13 de Taguatinga, onde a vítima morava com o companheiro, nessa quarta-feira (29/6). O principal suspeito de cometer o crime seria o namorado de Priscila, Gustavo Brito, 22.

Ao Metrópoles Márcia contou que não conseguia falar com Priscila desde segunda-feira (27/6). Na terça-feira, a mãe de Gustavo telefonou e contou que os dois teriam brigado e que achava melhor que Márcia fosse ver se a filha estava bem.

“Eu cheguei na casa dela e estava tudo fechado. Achei que minha filha não estava em casa e fui embora. No outro dia, voltei lá para ver se ela tinha aparecido, mas continuava tudo fechado e escuro. Pedi para um vizinho quebrar o cadeado para eu entrar na casa. Quando entrei, minha filha estava morta no chão da cozinha”, revela.

0

Márcia conta que chegou a pensar que a filha estava desmaiada, mas, ao se aproximar, viu que havia sangue no chão. Muito emocionada, ela revelou ao Metrópoles que ela e Priscila tinham se encontrado no fim de semana e trocado declarações de amor.

Local onde mulher foi morta pelo namorado tinha presentes e corações

“Era uma menina boa, sorridente, alegre e carinhosa. Não merecia ter uma morte trágica, fria e cruel. Mataram minha filha e a largaram lá sangrando no chão sozinha. Ainda trancaram a casa e o portão para que ninguém pudesse ajudá-la”, lamenta.

De acordo com Márcia, Priscila e Gabriel se relacionavam há pelo menos seis meses e moravam juntos há três. Os dois estavam desempregados desde janeiro de 2022.

Evento romântico

A cena do crime onde estava o corpo de Priscila Teixeira lembrava um local onde havia ocorrido algum evento romântico. Com presentes e corações de papel, o cômodo onde o feminicídio ocorreu chamou a atenção dos policiais.

A vítima morreu após receber um único golpe no pescoço. A arma usada teria sido uma faca ou outro objeto cortante.

Logo após o assassinato, Gustavo Brito desapareceu. De acordo com pessoas que moram próximas do local onde ocorreu o feminicídio, o casal brigava com frequência e, logo depois, reatava o namoro. Entre idas e vindas, a moça era espancada durante as discussões.

Vizinhos ouvidos pelo Metrópoles afirmaram que a relação do casal era conturbada. “Eles brigavam todos os dias, era som alto, confusão. A gente sabia que esse seria o fim. Chamávamos a polícia, mas ela falava que não registraria ocorrência”, contou uma vizinha, que preferiu não se identificar.

O caso é investigado pela 17ª Delegacia de Polícia (Taguatinga Norte) como feminicídio.

Quer ficar ligado em tudo o que rola no quadradinho? Siga o perfil do Metrópoles DF no Instagram.

Receba notícias do Metrópoles no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/metropolesurgente.

Faça uma denúncia ou sugira uma reportagem sobre o Distrito Federal por meio do WhatsApp do Metrópoles-DF: (61) 9119-8884.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comDistrito Federal

Você quer ficar por dentro das notícias do Distrito Federal e receber notificações em tempo real?

Notificações