DF registra 163 furtos a templos religiosos só em 2019

Número é 8% maior se comparado com o mesmo período de 2018, diz Secretaria de Segurança Pública do DF

Igo Estrela/ MetrópolesIgo Estrela/ Metrópoles

atualizado 22/09/2019 14:05

Igrejas, paróquias e templos religiosos do Distrito Federal estão na mira dos bandidos. Segundo a Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal (SSP-DF), 163 ocorrências de furtos a santuários foram registradas só neste ano na capital federal. Se comparado ao mesmo período do ano passado, quando ocorreram 150 furtos a templos, há um aumento de 8% nesse tipo de crime.

O último alvo dos ladrões aconteceu na noite desse sábado (21/09/2019), na Paróquia Nossa Senhora da Saúde, na 702 Norte, Plano Piloto. Nesse caso, o padre Kazimierz Wojno acabou estrangulado e morto em uma ocorrência registrada como latrocínio – roubo seguido de morte. O crime chocou pela brutalidade e também pela localização. A igreja fica a 500 metros de uma delegacia de polícia, no coração de Brasília, capital da República.

O caso do padre Casemiro, como Wojno era conhecido pelos fiéis, não entra nessas estatísticas divulgadas nesse sábado pela SSP, por ser investigado como latrocínio. Segundo a pasta, não ocorre um caso semelhante na Asa Norte desde agosto de 2017, quando a analista do Ministério da Cultura (MinC) e mestranda da Universidade de Brasília (UnB) Maria Vanessa Veiga Esteves, 55 anos, foi esfaqueada.

A vítima chegava em casa, na 408 Norte, por volta das 23h do dia 8 de agosto, quando foi abordada. Mesmo entregando a bolsa, ela foi esfaqueada nas costas e não resistiu ao ferimento.

No feriado de Páscoa, em abril deste ano, duas igrejas foram furtadas no DF. Uma delas no P Norte, a Paróquia São Francisco de Assis. Além do dinheiro de doações dos fiéis da comunidade, os bandidos levaram objetos sacros de alto valor. No mesmo dia, a Paróquia Nossa Senhora da Saúde, onde foi registrado o latrocínio desse sábado, foi alvo de bandidos. Na ocasião, o sacrário, no valor de R$ 20 mil, foi furtado.

À frente da paróquia na época, padre Casemiro havia lamentado o furto, mas a preocupação maior era com o conteúdo: 70 hóstias consagradas foram levadas. “Tem o sentido de profanação. Existem pessoas que fazem essas coisas”, lamentou o religioso ao Metrópoles, na época.

Na maioria das vezes, o objetivo dos bandidos é levar botijões de gás, objetos sacros – geralmente banhados a ouro – e até telhas, como foi no caso da paróquia do P Norte.

 

Investigação

A Segurança do DF emitiu, na manhã deste domingo (22/09/2019), uma nota de pesar sobre o assassinato do padre Casemiro, após sofrer uma emboscada de quatro assaltantes. O caso é investigado pela 2ª Delegacia de Polícia (Asa Norte). De acordo com a nota, “o latrocínio, infelizmente, interrompe um período de dois anos sem esse tipo de delito nessa região da cidade”.

A pasta informou que “todos os esforços estão sendo enviados pelas forças de segurança para identificar e prender o(s) autor(es) desse crime”.  Segundo o delegado-chefe da 2ª Delegacia de Polícia (Asa Norte), Laércio Rossetto, a emboscada aconteceu quando o padre se dirigia para uma obra, nos fundos da paróquia, após celebrar a missa das 18h30. “Pelo levantamento que fizemos, foi entre 18h40 e 21h40. Temos suspeita de que quatro homens já esperavam por ele no local”, disse.

Insegurança

Padre Casemiro já havia alertado as autoridades policiais do DF sobre a insegurança que ronda a região. De acordo Rossetto, no momento não é possível vincular os suspeitos do crime aos autores do roubo do sacrário. “Não podemos fazer essa ligação ainda.” A Coordenação de Repressão aos Crimes Patrimoniais (Corpatri), da PCDF, auxilia nas investigações.

Últimas notícias