Por Ilca Maria Estevão, Rebeca Ligabue, Hebert Madeira e Sabrina Pessoa

Paris Fashion Week: veja destaques de Dior e Loewe na primavera/verão 2021

Entre apresentações presenciais e digitais, Cecilie Bahnsen, Marine Serre, Chloé, Rick Owens e Isabel Marant também deram o que falar

atualizado 04/10/2020 15:48

Modelo na passarela de primavera/verão 2021 da Dior, durante o Paris Fashion WeekStephane Cardinale - Corbis/Corbis via Getty Images

Depois de Nova York, Londres e Milão, chegou a vez de Paris completar o principal circuito internacional de apresentações, com a primavera/verão 2021. Nesta edição, 10 novas marcas chegaram ao lineup. A semana de moda francesa de ready-to-wear começou na última segunda-feira (28/9) e seguirá até 6 de outubro. Até o momento, marcas como Dior, Cecilie Bahnsen, Marine Serre, Chloé, Rick Owens, Loewe e Isabel Marant deram o que falar.

Vem comigo!

Giphy/Dior/Reprodução

Em meio à pandemia, as opiniões sobre a realização de desfiles tradicionais foram divididas. Pode-se dizer que, provavelmente, não seja um momento propício para a realização de shows físicos, ainda que com medidas de segurança. A grife Isabel Marant, por exemplo, causou aglomeração na própria passarela.

Na Semana de Moda de Paris, aconteceram tanto desfiles presenciais quanto apresentações digitais. Além disso, diversas grifes se adaptaram ao momento por meio de mudanças nas próprias coleções, com inspirações realistas, sensíveis e voltadas ao atual cenário.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Paris Fashion Week (@parisfashionweek) em

 

Dior

A Dior foi uma das participantes que escolheram realizar desfiles com plateia e tudo. O show também foi transmitido ao vivo pelo Instagram, pelo TikTok e pelo site internacional da marca. Em um ambiente “simultaneamente sagrado e profano”, como definiu a label, foi retratada a obra Vetrata di Poesia Visiva, da artista visual Lucia Marcucci, de Florença.

No cenário, havia 18 espécies de janelas de acrílico iluminadas, cada uma com 7 metros de altura. O propósito foi revisitar os vitrais coloridos das catedrais góticas. “Um estilo característico que funde imagens encontradas da mídia de massa e publicidade com texto na forma de colagens contemplativas e esteticamente atraentes”, explicou a Dior em comunicado.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Dior Official (@dior) em

A coleção foi focada na exploração das possibilidades de corte e decoração. “A Dior está empenhada em trabalhar lado a lado com especialistas e artesãos locais para salvaguardar este bem cultural e garantir que as suas preciosas técnicas sobrevivam”, comunicou a grife.

Vale reparar na estética campestre, que remete ao estilo cottagecore; tudo a ver com simplicidade e referências bucólicas. Modelagens delicadas, bordados, babados, listras e estampas vintage garantiram o mood.

Maria Grazia Chiuri também quis repensar prioridades durante a evolução do mundo atualmente. “Tivemos que abordar esta coleção com uma ideia mais de design. Estamos vivendo de uma forma diferente e ficando mais em casa dentro da nossa intimidade. Nossas roupas têm que refletir esse novo estilo de vida”, disse a diretora criativa à Vogue Runway.

A estilista optou por voltar aos fundamentos da criação de roupas. Por isso, repensou a construção de um dos itens mais celebrados no DNA da grife: o casaco. “Ela arrancou o estofo, transformando a alfaiataria em jaquetas macias e ombros caídos com a facilidade de um cardigã”, enfatizou a marca. A ideia foi garantir mais conforto e praticidade.

Casualidade – sem perder a elegância – e fluidez foram os pontos principais na passarela da etiqueta francesa. Sobreposições não tiraram o toque leve das composições. Até o tie-dye foi reinventado no spring/summer 2021 da Dior.

Modelo na passarela de primavera/verão 2021 da Dior, durante o Paris Fashion Week
A Dior realizou desfile presencial durante o Paris Fashion Week

 

Modelo na passarela de primavera/verão 2021 da Dior, durante o Paris Fashion Week
A primavera/verão 2021 da grife francesa é focada nas possibilidades de cortes e decoração nas roupas

 

Modelo na passarela de primavera/verão 2021 da Dior, durante o Paris Fashion Week
“Em resposta às transformações sociais e percepções do papel desempenhado pelas roupas, para Dior SS21, Maria Grazia Chiuri voltou-se para o reaproveitamento e a reinvenção de motivos familiares e amados, pegando estampas de lenços de arquivo, introduzindo novos elementos e bordas decorativas e brincando com a escala, transformando tecidos em patchworks e paisley em bordados preciosos”, enfatizou a marca

 

Modelo na passarela de primavera/verão 2021 da Dior, durante o Paris Fashion Week
Parte do DNA da Dior, a pegada campestre foi valorizada

 

Modelo na passarela de primavera/verão 2021 da Dior, durante o Paris Fashion Week
A construção do casaco foi repensada. A estilista quis alcançar algo próximo de uma “jaqueta de jardineiro”, com bolsos de remendo práticos, removendo lapelas e substituindo-as por uma gola plana

 

Modelo na passarela de primavera/verão 2021 da Dior, durante o Paris Fashion Week
A fluidez também está presente no trabalho

 

Modelo na passarela de primavera/verão 2021 da Dior, durante o Paris Fashion Week
Aplicações delicadas e o handmade não poderiam faltar

 

Modelo na passarela de primavera/verão 2021 da Dior, durante o Paris Fashion Week
Mix de listras

 

Modelo na passarela de primavera/verão 2021 da Dior, durante o Paris Fashion Week
As padronagens são highlights da coleção

 

Ao fim do desfile, uma manifestante se infiltrou na passarela. Vestida de preto, a mulher segurava um cartaz amarelo com a frase: “Somos todos vítimas da moda”. Nos cantos da faixa, estava o símbolo de extinção usado frequentemente por ativistas ambientais.

De acordo com o portal WWD, uma porta-voz da Extinction Rebellion confirmou que a organização foi a responsável pelo protesto. Trata-se de uma iniciativa britânica que atua contra os danos ao meio ambiente e as mudanças climáticas. O grupo se define como um “movimento internacional que usa a desobediência civil não violenta na tentativa de impedir a extinção em massa e minimizar o risco de colapso social”.

Manifestante ambiental na passarela da Dior, de spring/summer 2021
Uma manifestante invadiu a apresentação de primavera/verão 2021 da Dior

 

Manifestante ambiental na passarela da Dior, de spring/summer 2021
“Somos todos vítimas da moda”, dizia o cartaz

 

Cecilie Bahnsen

Estreante no Paris Fashion Week, Cecilie Bahnsen fundou a marca homônima em 2015. A grife é especializada em vestidos românticos e silhuetas volumosas, com direito a mangas bufantes, babados, recortes e texturas.

Para a participação no evento, a marca apostou em uma apresentação digital. A atemporalidade e a durabilidade são peças-chave no desenvolvimento das criações da estilista dinamarquesa, que mescla a cultura tradicional escandinava com o lado fino da moda francesa tradicional. Em suas coleções, que se baseiam sempre nas anteriores, a designer propõe um prêt-à-porter com toque de alta-costura.

Para a primavera/verão 2021, Cecilie Bahnsen investiu majoritariamente em looks monocromáticos, em preto ou branco. Alguns visuais passaram por tons de rosa e verde. Entre as criações, estão peças feitas por meio do upcycling, técnica de reaproveitamento de tecidos que seriam descartados.

A coleção foi pensada a partir de um olhar para a realidade. “Tem tudo a ver com esta jornada: não sabemos ao certo para onde estamos indo, mas temos a esperança de que será um lugar melhor”, contou a estilista, em entrevista à Vogue.

“Observei lindas tribos nômades japonesas de mulheres que vão de cidade em cidade para tocar música. Também olhei para as pinturas dinamarquesas Skagen [de mulheres] na praia, usando vestidos brancos históricos. A última inspiração são as instalações de arte coloridas de James Turrell, que sempre têm algo super moderno e elétrico”, completou Bahnsen.

Look da marca Cecilie Bahnsen de primavera/verão 2021
Cecilie Bahnsen apostou em uma apresentação virtual

 

Look da marca Cecilie Bahnsen de primavera/verão 2021
O trabalho é inspirado na “visão de Cecilie, nesta temporada, de um grupo de mulheres na natureza em uma jornada simbólica”

 

Look da marca Cecilie Bahnsen de primavera/verão 2021
Recortes nos ombros dão uma pitada ousada ao visual clássico

 

Look da marca Cecilie Bahnsen de primavera/verão 2021
A coleção é formada majoritariamente por tons sóbrios

 

Look da marca Cecilie Bahnsen de primavera/verão 2021
O cenário natural faz toda a diferença

 

Look da marca Cecilie Bahnsen de primavera/verão 2021
Pela primeira vez, a grife dinamarquesa participou da Semana de Moda de Paris

 

Além do shooting, feito pela fotógrafa Lana Ohrimenko, Cecilie Bahnsen preparou um vídeo para revelar os looks. Batizado de  The Summit, a produção teve direção da agência criativa Moon.

Ambientado em uma praia, o ensaio é intimista e acolhedor, com direito à contribuição do vento e da beleza natural. As imagens foram gravadas na Costa Oeste da Jutlândia, na Dinamarca.

 

Marine Serre

“Um ciclo de eventos e encontros atemporais é realizado por personagens místicos que imergem o espectador em seu mundo”. Assim é a apresentação virtual de primavera/verão da marca homônima da designer Marine Serre, um dos nomes mais reconhecidos atualmente na indústria fashion.

Batizado de Amor Fati, o vídeo foi dirigido por Sacha Barbin e Ryan Doubiago. As estrelas do conteúdo são Sevdaliza e Juliet Merie, com styling assinado por Benoit Bethume. A icônica estampa de lua, símbolo da etiqueta, não poderia faltar.

“Com a ajuda de itens simbólicos, dois indivíduos enigmáticos navegam entre existências paralelas, vivendo uma projeção astral, guiados pelas verdades um do outro. Estéril e hostil à primeira vista, cada ambiente é povoado por uma série de clãs fortemente unidos que testemunharão seus ritos de passagem”, descreveu a label. “Apesar dos sentimentos de perigo, cuidado, sedução e vulnerabilidade, as duas figuras camaleônicas dão um salto de fé para o desconhecido”, acrescentou.

 

Chloé

O Palais de Tokyo, na capital da França, foi cenário para o desfile de spring/summer 2021 da Chloé, durante a Semana de Moda de Paris. Batizado de A Season in Hope (Uma Temporada de Esperança, em tradução livre), o show teve o propósito de levantar variados pontos de vista.

Além de caminhar pelo edifício monumental, as modelos se espalharam pelas ruas da região simulando situações do cotidiano. “É mostrar algo que seja mais atencioso, mais espontâneo e mais íntimo, e dedicar um tempo para olhar para uma mulher e seu jeito de se mover e agir de forma muito mais natural. Em vez de apenas dizer ‘você deveria andar assim'”, contou a diretora criativa Natacha Ramsay-Levi à Vogue.

Nos visuais, o objetivo foi se basear em elementos de temporadas anteriores, com foco na redução. Considerando o DNA sofisticado e clássico da Chloé, a casualidade foi atingida. Embora ela tenha investido em silhuetas mais amplas e modelagens comfy, em algumas misturas o resultado pode ser considerado carregado.

Inspirada nas mensagens de justiça da freira Corita Kent, frases como “Eu dou conta disso” ganharam destaque nas estampas. Rendas delicadas, corte reto e as tradicionais referências dos anos 1970 arremataram as produções.

Primavera/verão 2021 da Chloé
Rendas delicadas adornam a primavera da Chloé

 

Primavera/verão 2021 da Chloé
Peças com corte reto marcam a coleção

 

Primavera/verão 2021 da Chloé
Estampas românticas entregam a referência dos anos 1970

 

Primavera/verão 2021 da Chloé
Natacha Ramsay-Levi aposta em silhuetas fluidas com elementos menos leves

 

Primavera/verão 2021 da Chloé
Bermudas seguem o padrão mais casual

 

Primavera/verão 2021 da Chloé
A clássica camisa social é reinventada em um vestido

 

Primavera/verão 2021 da Chloé
Inspirada nas mensagens de justiça da freira Corita Kent, frases como “Eu dou conta disso” ganharam destaque nas estampas

 

Primavera/verão 2021 da Chloé
Elementos de temporadas anteriores, como o cinto de couro com fivela larga, retornam

 

Rick Owens

A primavera/verão 2021 de Rick Owens foi intitulada Phlegethon, em homenagem a um dos cinco rios do submundo na mitologia grega. Mais especificamente, águas de sangue que ferveram almas.

Em comunicado, o designer definiu o compilado como uma espécie de “alegria sombria”. “Podemos pensar nas roupas como frívolas ou podemos pensar nas roupas como um de nossos primeiros passos para nos comunicarmos com outras pessoas, o que é uma coisa poderosa” , opinou Owens.

Nos outfits revelados, o mood misterioso contrastou com cores suaves, sem deixar de lado o vermelho vibrante. A assimetria também fez parte da coleção. Um detalhe que chamou atenção foram as máscaras de proteção facial, presentes em todas as composições.

Look da grife Rick Owens, de primavera/verão 2021
A coleção se chama Phlegethon

 

Look da grife Rick Owens, de primavera/verão 2021
Rick Owens se inspirou na mitologia grega

 

Look da grife Rick Owens, de primavera/verão 2021
Transmitida virtualmente, a apresentação acontece em Veneza, onde o estilista costuma passar o verão

 

Look da grife Rick Owens, de primavera/verão 2021
Todas as combinações tiveram máscara facial

 

Look da grife Rick Owens, de primavera/verão 2021
Assimetria neste visual all black

 

Look da grife Rick Owens, de primavera/verão 2021
As botas over the knee não passaram despercebidas

 

Look da grife Rick Owens, de primavera/verão 2021
Os acessórios fazem toda a diferença

 

Look da grife Rick Owens, de primavera/verão 2021
Mix interessante de tonalidades

 

O trabalho tem foco no desafio. Gravado na praça em frente ao Casino de Veneza, o show digital foi realizado sem público, com transmissão ao vivo. Apenas o estilista e sua equipe participaram.

 

Loewe

Em meio à pandemia, a Loewe pensou em uma solução criativa, autêntica e segura. O trabalho foi definido como Show-on-the-Wall (Desfile na Parede, em tradução livre). Os looks foram apresentados por meio de um papel de parede, desenhado pela artista Anthea Hamilton, com fotos de Thue Nørgaard.

Por isso, pessoas selecionadas pela grife receberam uma grande caixa para conferir a novidade. Dentro do objeto, há “um conjunto de diferentes elementos a serem montados individualmente pelo destinatário congela o conteúdo de moda em uma parede, em tamanho real”. “O Show-on-the-Wall é um somatório de diferentes ações, todas ativamente realizadas pelo destinatário, que aproximam o espectador da roupa”, explicou a label.

Além dos cartazes,  há até cola específica para de papel de parede, pincel e tesoura na caixa. “A beleza do projeto é que ele entrega a criatividade ao espectador”, definiu Jonathan Anderson, diretor criativo da marca, em comunicado.

Caixa da Loewe de spring/summer 2021
A Loewe levou a apresentação de spring/summer 2021 até a casa de pessoas selecionadas

 

Caixa da Loewe de spring/summer 2021
No objeto, há um papel de parede em tamanho real com os looks estampados, além de outras ferramentas e elementos

 

Papel de parede da Loewe
“Sim, é uma caixa grande, mas permite que você decida quando deseja visualizá-la”, enfatizou o diretor criativo Jonathan Anderson à Vogue

 

Para o spring/summer 2021, Jonathan Anderson e sua equipe trabalharam remotamente, respeitando o isolamento social. As peças foram pensadas a partir de materiais que já estavam no acervo da grife.

“Eu realmente queria me concentrar nessa ideia de que usaríamos o que tínhamos”, disse à Vogue”. “A coisa toda é realmente sobre obsessões, como curiosidade. Acho que é apenas um momento importante, e é tão emocionante poder experimentar coisas novas”, completou.

Nas composições, o maximalismo não ficou de fora. As modelagens são amplas e exageradas. Drapeados, volume, transparência, formas bufantes e sobreposições de tecidos dão o toque final.

Look da Loewe, de primavera/verão 2021
A arte do papel de parede foi feita por Anthea Hamilton

 

Look da Loewe, de primavera/verão 2021
A estampa também aparece na coleção

 

Look da Loewe, de primavera/verão 2021
Já as fotos são de Thue Nørgaard

 

Look da Loewe, de primavera/verão 2021
Os looks foram pensados, confeccionados e apresentados remotamente

 

Look da Loewe, de primavera/verão 2021
A primavera/verão 2021 da Loewe foi feita com materiais que já estavam no acervo da marca

 

Look da Loewe, de primavera/verão 2021
O resultado é autêntico e interessante

 

Look da Loewe, de primavera/verão 2021
O volume não ficou de fora, assim como a transparência

 

Look da Loewe, de primavera/verão 2021
Shape amplo e bufante

 

A apresentação também está em exposição no Hôtel du Grand Veneur, na capital francesa. A coleção é exibida em manequins dentro do espaço. O papel de parede, é claro, não poderia faltar no cenário. Entre os acessórios, é possível observar uma clutch moderna e clean, que lembra a famosa The Pouch, da Bottega Veneta.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por LOEWE (@loewe) em

 

Isabel Marant

Para Isabel Marant, não bastou fazer um desfile presencial em meio ao avanço do coronavírus. “Um desejo ardente de sair, dançar e escapar”: foi assim que a marca francesa definiu o show, que aconteceu no Palais Hoyal, em Paris, e causou aglomeração, inclusive na passarela.

A apresentação foi uma verdadeira festa, com participação do grupo de dança (La)Horde. Estaria tudo bem se o mundo não estivesse passando por uma pandemia sem precedentes, causada por um vírus altamente contagioso. A decisão da marca afrontou as recomendações da organizações de saúde.

Modelos e dançarinos percorreram pela catwalk ao som da música I Feel Love, de Donna Summer. Em um momento específico, vários bailarinos se abraçaram. Vale destacar que uma das orientações contra a propagação da Covid-19 é o distanciamento social.

Na coleção, a pegada disco, com um toque boho, também ficou evidente. A inspiração veio de ícones extravagantes dos anos 1980. Entre variações de texturas, o metalizado chamou atenção. Na cartela cromática, o prata e o rosa são os protagonistas.

Desfile da Isabel Marant, de primavera/verão 2021
Aglomeração de pessoas na passarela da grife Isabel Marant

 

Desfile da Isabel Marant, de primavera/verão 2021
Teve até abraço, contrariando as recomendações de saúde em meio à pandemia global de coronavírus

 

Desfile da Isabel Marant, de primavera/verão 2021
O desfile aconteceu no Palais Hoyal, em Paris

 

Desfile da Isabel Marant, de primavera/verão 2021, com metalizado
A disco vibe também foi percebida nos outfits

 

Desfile da Isabel Marant, de primavera/verão 2021
Inspiração nos anos 1980

 

Desfile da Isabel Marant, de primavera/verão 2021
Mangas exageradas no visual pink

 

Desfile da Isabel Marant, com metalizadode primavera/verão 2021
A extravagância foi uma meta da estilista francesa

 

Programação do Paris Fashion Week

Nos últimos dias, o Paris Fashion Week também incluiu apresentações de marcas como Situationist, Koché, Alexis Mabille, Kenzo, Dries Van Noten, Acne Studios, Issey Miyake, Altuzarra, Alexandre Vauthier, Hermès e Nina Ricci. Neste domingo (4/10), a programação começa com Schiaparelli. Em seguida, nomes como Balenciaga, Gabriela Hearst, Paco Rabanne e Givenchy.

Já na segunda-feira (5/10), estão no calendário Mugler e Giambattista Valli, por exemplo. A terça-feira (6/10), último dia da semana de moda, terá os shows de Chanel, Valentin Yudashkin, Sadaels, Farel Zhang, Miu Miu, Louis Vuitton e Maison Margiela.


Colaborou Rebeca Ligabue

Últimas notícias