metropoles.com

Ministério quer manter licença do Ibama para rodovia na Amazônia

Diretor do DNIT pediu uma agenda com presidente do Ibama, Rodrigo Agostinho, para discutir o assunto

atualizado

Compartilhar notícia

Divulgação/DNIT
dnit rodovia
1 de 1 dnit rodovia - Foto: Divulgação/DNIT

O Ministério dos Transportes está negociando para manter uma licença prévia cedida pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) ao projeto de pavimentação da BR-319, uma das prioridades da gestão de Renan Filho à frente do órgão.

A BR-319, que liga Porto Velho a Manaus, foi construída durante a ditadura militar, nos anos 1970. Ela tem trechos intransitáveis, porém, que impedem seu uso. Por isso, o Ministério dos Transportes quer finalizar sua pavimentação.

“É uma rodovia que tem um entrave ambiental considerável. Então estamos dialogando para fazer uma obra que garanta sustentabilidade ambiental. Não é prioridade a qualquer custo, mas o ministério deseja fazer”, diz Renan Filho à coluna.

Nesta segunda-feira (27/3), uma reportagem de Leandro Prazeres, da BBC Brasil, mostrou que ambientalistas se preocupam com o efeito “espinha de peixe” do asfaltamento, que se dá pela construção de estradas vicinais impulsionando o desmatamento na região ao redor de uma rodovia.

O presidente do Ibama, Rodrigo Agostinho, disse à BBC que o Ibama poderia revogar a licença prévia cedida para a construção da rodovia. O Ministério Público Federal (MPF) fez uma série de recomendações criticando o projeto.

Fabrício Galvão, diretor-executivo do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), órgão ligado ao Ministério dos Transportes, pediu uma agenda com o presidente do Ibama para discutir o assunto.

Renan Filho diz que o ministério está dialogando com o Ibama para ajustar o projeto. O ministério estuda construir pontos de passagem de fauna e reforçar o monitoramento ao longo da rodovia para impedir o desmatamento.

“A gente está querendo desenvolver um modelo de estrada ambientalmente correta e mais vistoriada. Para garantir que a estrada não vai facilitar desmatamento. Seria uma ‘estrada-parque’, com pontos de monitoramento”, afirma o ministro.

“Manaus é a única capital que não tem ligação por asfalto no Brasil. Por isso estamos dialogando.”

Procurado, Agostinho disse que o Ibama está aguardando a apresentação dos estudos do Ministério dos Transportes sobre o projeto. Segundo ele, há uma preocupação porque, apenas com a licença prévia, já houve um aumento do desmatamento na região. “Rodovia na Amazônia virou sinônimo de desmatamento, e é muito difícil impedir esse efeito concreto”, afirma.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comGuilherme Amado

Você quer ficar por dentro da coluna Guilherme Amado e receber notificações em tempo real?