Com Bruna Lima, Edoardo Ghirotto, Eduardo Barretto e Paulo Cappelli

Justiça arquiva processo da Lava Jato contra Lulinha no caso Gamecorp

Processo corria na Justiça Federal em São Paulo

atualizado 17/01/2022 20:26

Reprodução

A Justiça Federal em São Paulo arquivou nesta segunda-feira (17/01) a investigação contra Fábio Luis Lula da Silva, o Lulinha, filho do ex-presidente Lula, no processo decorrente da Operação Mapa da Mina, 69ª fase da Lava Jato. A suspeita inicial do MPF era que o grupo Oi/Telemar transferira mais de R$ 132 milhões ao conglomerado Gamecorp/Gol, gerido por Fábio.

A decisão, da juíza Fabiana Alves Rodrigues, da 10ª Vara Criminal Federal, levou em conta julgamento do Supremo Tribunal Federal que anulou ações penais relacionadas à Lava Jato a partir do reconhecimento de parcialidade do ex-juiz Sergio Moro.

Os advogados de Lulinha foram Fábio Tofic Simantob, Mariana Ortiz e Marco Aurélio Carvalho.

Na fundamentação, a juíza acolheu pedido da defesa de Fábio Luis, destacando o parecer do MPF, de dezembro passado, no qual o órgão reconheceu que, com a exclusão de provas agora consideradas ilícitas, não remanescem elementos indiciários de prática criminosa para justificar o prosseguimento das investigações.

Os pagamentos a Lulinha pela Oi/Telemar teriam sido feitos entre 2004 e 2016 e os crimes seriam, em tese, de corrupção e lavagem de dinheiro.

Já leu todas as notas e reportagens da coluna hoje? Clique aqui.

Siga a coluna no Twitter e no Instagram para não perder nada.

Mais lidas
Siga as redes do Guilherme Amado
Últimas da coluna