metropoles.com

Cérebro cansado? Especialista dá 5 dicas para potencializar a memória

É por meio da memória que o ser humano constrói a sua identidade social. A professora Thaís Bento Lima revela 5 atividades estimulantes

atualizado

Compartilhar notícia

Getty Images
Mulher loira jovem com os dedos apontando para a cabeça com um post it na testa com a frase don't forget
1 de 1 Mulher loira jovem com os dedos apontando para a cabeça com um post it na testa com a frase don't forget - Foto: Getty Images

Você tem a impressão de que a sua memória não está boa o suficiente? Então, você faz parte da grande parcela da população que se queixa, cada vez mais, dessa condição. A memória é compreendida como a habilidade cognitiva que permite adquirir, reter e recuperar essas informações. O processo de armazenamento dessas informações no cérebro consiste em adquiri-las depois que elas chegam do meio externo através dos órgãos dos sentidos. Em seguida, há a retenção de informações na memória de forma que elas possam ser utilizadas posteriormente, quando necessárias.

Para Thaís Bento Lima, professora, doutora, gerontóloga pela USP e parceira científica do Método SUPERA, o armazenamento é resultado de uma aprendizagem, da forma como a informação é retida ao longo da vida, o que permite à pessoa, depois, recordá-la. “A memória tem sua função além dos limites da atividade cognitiva, podendo interagir com outras funções do cérebro com certa intimidade — criatividade, afeto, motivação, emoção… — que são ligadas ao equilíbrio do organismo”, afirma a especialista.

É por meio da memória que o ser humano constrói a sua identidade social, pois é nela que há o registro da experiência de vida de cada um e suas relações com outras pessoas. Dessa forma, ele se constitui como sujeito.

Criança com tablet nas mãos e uma mão adulta segurando um cérebro de plástico ao lado
É por meio da memória que o ser humano constrói a sua identidade social

Memória recente ou de curto prazo

De acordo com a professora, a memória de curto prazo ou memória de trabalho possui a capacidade de reter a informação por um período maior, se comparada à memória sensorial. Ainda assim, a duração é pequena. “Esse é um estágio em que ocorre a transferência de informações da sensorial, e é quando as informações que foram recuperadas da de longo prazo se tornam conscientes”, diz ela.

Segundo Thais, dentro da memória recente, encontra-se a memória operacional, responsável pelo armazenamento temporário de informações para a execução de tarefas cognitivas como leitura, cálculo, planejamento e conversação.

Vela em formato de cérebro ao centro com post its em volta
A memória de curto prazo ou memória de trabalho tem a capacidade de reter a informação por um período maior

A seguir, ela dá 7 dicas para potencializar a memória de curto prazo:

  1. Realizar uma boa higiene do sono;
  2. Praticar atividades físicas;
  3. Ter uma alimentação balanceada;
  4. Controlar o estresse e ansiedade;
  5. Engajar-se socialmente;
  6. Cultivar o bom humor;
  7. Executar atividades de estimulação cognitiva.

Atividades que estimulam a memória

Thais Lima conta que a montagem de álbum de fotografias é uma ótima prática para estimular a memória. “Essas lembranças podem ser fotos pessoais, cartões, cartas, postais, imagens de objetos importantes, convites, recados ou qualquer outra coisa que possa suscitar a memória biográfica da pessoa”, justifica.

mulher folheando álbum de fotografias - Metrópoles
A montagem de álbum de fotografias é uma ótima prática para estimular a memória

“Crie uma linha cronológica de lembranças para facilitar a compreensão dos eventos por parte da pessoa que será estimulada com data e local de nascimento, fotos dos pais e irmãos, escola, primeiro emprego, casamento, filhos, netos entre outros”, recomenda ela.

A jardinagem também é uma aliada nessas horas. A gerontóloga comenta que o interessante é que ela contempla muitas funções cognitivas como memória, sensação, percepção, planejamento, organização, atenção, concentração, memória olfativa, além de promover bem-estar tanto para o indivíduo, como para seu familiar/cuidador.

Outra sugestão é a culinária, que também estimula a memória, a atenção, o planejamento e até mesmo os sentimentos. “Não é só colocar a mão na massa. Sons, cheiros e sabores vão, aos poucos, trazendo à tona lembranças de reminiscências”, explica a profissional.

Mulher experimentando comida enquanto cozinha - Metrópoles
A culinária estimula a memória, a atenção, o planejamento e até mesmo os sentimentos

Thais lembra, ainda, da música, que age nas emoções, nas sensações e na memória — e ainda mexe com o corpo. “Se a pessoa tiver boa mobilidade e equilíbrio, convide-a para dançar”, acrescenta.

“É importante conhecer o gosto musical da pessoa e, a partir disso, criar atividades que possam englobar alguns estímulos. Esse trabalho diminui o estresse e a ansiedade e permite a estimulação de várias partes importantes do cérebro”

Thaís Bento Lima, professora, doutora, gerontóloga pela USP e parceira científica do Método SUPERA

Por fim, os jogos e as atividades cognitivas são, também, grandes colaboradores nesse processo. “Se bem orientados, eles estimulam a memória, atenção, concentração, sensação, percepção, funções executivas, entre outros”, entrega a professora.

Para saber mais, siga o perfil da coluna no Instagram.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações