*
 
 

Se depender do que foi visto nas últimas coleções de outono/inverno das grifes internacionais, o militarismo voltou de vez. A tendência recorrente, principalmente nas estações mais frias do ano, apareceu moderna, variando entre estampas camufladas, tons de verde-musgo e marrom, e releituras exclusivas que buscam revisitar o clássico visual.

A partir dos anos 1940, o traje militar passou a influenciar as roupas do dia a dia das pessoas. Na época, o impacto da Segunda Guerra Mundial mudou tudo. Os tailleurs transformaram-se em uniformes, as ombreiras ficaram mais aparentes, as saias foram substituídas por macacões utilitários e as cores camufladas ganharam notoriedade.

Atualmente, estampas e cores clássicas do estilo têm um espacinho reservado no coração dos antenados no mundo da moda. Mas, por que toda essa paixão pela tendência? Os motivos podem englobar tanto a versatilidade oferecida a qualquer produção pelos tons de verde, marrom e cáqui quanto as novas formas do militarismo, que revestem de glamour os looks consolidados no guarda-roupa da mulher moderna.

Os grandes estilistas capricharam nas peças sofisticadas, sem deixar de lado a inovação com cortes e texturas diferenciadas, que fogem do tradicional e do básico de sempre. Nesta estação, o militar chega em duas vertentes: flertando com looks de apelo esportivo ou emprestando um ar cool a produções requintadas.

Vem comigo conferir!

 

1. Estampa camuflada
O camuflado é o principal símbolo do estilo. A estampa polêmica e versátil permite combinações criativas para diversas ocasiões do dia a dia. Para a noite, versões confeccionadas em bordados de paetê iluminam produções mais básicas e garantem um look sofisticado.

O tricô também invade o militarismo, trazendo modelagens que combinam perfeitamente com outras peças, como foi o caso da Burberry. O suéter ficou por baixo de um vestido de transparência todo trabalhado em detalhes brilhosos. A tradicional parca aparece estampada em uma camuflagem distante dos tons de verde, apostando também no cáqui-escuro e no marrom-avermelhado.

Michael Kors não hesitou em misturar estampas e trazer um toque jovem e despojado. A grife exibiu a tradicional calça militar, jaqueta de couro, suéteres de tricô e um colete vestido por cima de um casaco – também camuflado –, a maioria em uma dobradinha com listras e xadrez.

No caso da Tommy Hilfiger, a pochete e a camisa estampada harmonizam-se com a calça e a bermuda em cáqui, além da jaqueta verde-musgo. As estampas que misturam cores aparecem nos cintos, mochilas e bolsos, e ficam responsáveis pelo diferencial da produção.

Burberry

Divulgação/Vogue Divulgação/Vogue
Michael Kors

Divulgação/Vogue
Divulgação/Vogue Divulgação/Vogue

Divulgação/Vogue
Tommy Hilfiger

Divulgação/Vogue Divulgação/Vogue

 

2. Cáqui
O cáqui surgiu repaginado com detalhes delicados, veludos e bordados de requinte. A Burberry, por exemplo, investiu na cor para seus trench coats longos, leves e com vários botões. O diferencial fica por conta do resto da produção, por meio de moletons distintos ou casaco em tonalidade um pouco mais escura.

A Givenchy flertou com a alfaiataria ao trazer capa e blusa na mesma tonalidade. O tecido proporciona um aspecto brilhante, resultando numa proposta composta de aventura e elegância. Na Roksanda, um vestido midi de gola alta, acompanhado de luvas em um amarelo bem aberto e complementado por uma bolsa azul, comprova que o cáqui pode ser usado com tons mais vibrantes. A outra aposta da grife foi nos sobretudos. As peças exploraram as nuances da cor.

Na Versace, a tendência aparece em sobretudos e trench coats, com certa influência dos anos 1970. Nas duas primeiras fotos, o tecido é mais pesado e tradicional, enquanto as últimas trazem leveza e estampas com detalhes coloridos. As calças da grife italiana, com modelagens sofisticadas, tecidos finos e estampas, fazem contraste com outras texturas e acessórios. Complementado por coturnos e jaqueta de couro, o combo faz toda a diferença e permite o mix entre o formal e o rocker. Para fechar, a Chloé exibiu uma calça soltinha com toque francês no tom cáqui.

Burberry

Divulgação/Vogue Divulgação/Vogue Divulgação/Vogue
Givenchy

Getty Images
Roksanda

Divulgação/Vogue Divulgação/Vogue Divulgação/Vogue
Versace 

Divulgação/Vogue Divulgação/Vogue Divulgação/Vogue Divulgação/Vogue
Chloé

Getty Images

 

3. Verde-musgo
Cor imediatamente associada ao exército. O tom combina com praticamente tudo e pode ser utilizado em peças diversas, como camisas, calças, bolsas, entre outras. Nas semanas de moda, ele foi apresentado de diversas formas.

A cor esteve presente em peças bordadas, cheias de recortes, elásticos e bolsos utilitários. Destaque para o vestido curto acompanhado de um cinto dourado. Além disso, a Balmain trouxe o militarismo glamouroso e étnico pelo qual é conhecida.

Os trench coats de diferentes estilos foram a pedida da vez na Dior. Os modelos longos são combinados com peças coloridas que permitem um caminho entre a delicadeza e a rigidez. Enquanto isso, na Dior Homme, o verde-militar também aparece com força, mas foge dos padrões. A grife preparou versões de alfaiataria com a atitude irreverente do passado, mas inova com o item repleto de botões.

Na Hermès, a calça midi no mesmo tom da jaqueta aparece com detalhes em marrom, reforçando a ideia de um militarismo sério e sóbrio. Já a outra produção visa a elegância e traz um macacão com casaco de pele acompanhado de gola alta.

A Lacoste abusa de tons sóbrios e dá um pulo nos anos 1980 e 1990. Seguindo uma vibe mochileira, os casacos apresentados pela marca entraram num clima de aventura, fazendo referência a um estilo explorador.

Balmain Menswear

Getty Images Getty Images Getty Images Getty Images
Dior

Getty Images Getty Images
Getty Images Getty Images

Lacoste
Divulgação/Vogue

 

4. Marrom-militar
As marcas investiram nos tons terrosos para a época mais fria do ano. O marrom-militar intenso foi protagonista de algumas coleções, tendo como acréscimo diversos tipos de estampas e cores, principalmente em sobretudos, blazers e bombers.

Na Chloé, o capote mais comportado ganha um toque de descontração com a barra em comprimento assimétrico. A inflated bomber da marca também atraiu olhares por seu mood felpudo. O mesmo vale para o macacão megaelegante que a grife exibiu, com caimento mais largo nas pernas, ombros marcados e decote sensual, com direito a bordados e gargantilha. Um arraso!

A Dior Homme aparece com uma pegada mais fetichista. Ou seja, abusa dos tecidos pesados e cortes mais retos. Para quem gosta de alfaiataria em estilo clássico, a Balenciaga se ateve ao tecido encorpado, com um sobretudo tradicional e impecável.

Chloé

Getty Images Divulgação/Vogue Divulgação/Vogue Divulgação/Vogue
Dior

Getty Images Getty Images Getty Images
Balenciaga

Divulgação/Vogue

 

5. Fireman Jacket
As jaquetas no estilo fireman surgiram há pouco tempo no universo fashion, mas já vêm conquistando espaço. Apesar de se diferenciar das outras cores e estampas, a peça tem relação com o militarismo quando se consideram as questões da seriedade e segurança do ofício.

A Calvin Klein foi uma das grifes que apostaram no modelo em diversas formas e tons. Casacos laranjas, listras florescentes e até oversized, no estilo inflated. A cor das peças varia entre marrom, cáqui e laranja.

Outra marca que investiu no modelo foi a Burberry, com uma única peça no estilo, bem tradicional, exibindo uma faixa prateada. O mais legal é que as produções fazem um mix bastante interessante entre o brusco, um pouco mais grosseiro por causa da jaqueta, e a elegância proporcionada pelo restante dos looks.

Calvin Klein

Getty Images Getty Images Getty Images Getty Images


Burberry

Divulgação/Vogue
O militarismo para o outono/inverno 2018 aparece versátil, chique e compõe looks com flores, xadrez e inclusive o paetê. Além disso, está em moletons, calças e coletes nas passarelas de Michael Kors e Burberry. O verde-musgo representa tanto a mulher gladiadora, na passarela Balmain, como a manifestante guerrilheira da Dior. A cor apareceu até nas minibolsas da maison francesa, em uma pegada vintage e estampada com a logomarca.

O hit também esteve no cáqui, enquanto o marrom surgiu sóbrio e fechado. Na passarela da Chloé, a pegada é gótica, vibe recorrente na estação.

Para saber das novidades dentro da moda, visite o meu Instagram. Até a próxima!



modaTendênciaBurberryCalvin KleinMilitarismodesfiles
 


COMENTE

Ler mais do blog