Marca brasileira lança coleção com tecido que protege contra o coronavírus

J.Boggo+ é a primeira etiqueta nacional a apostar em um compilado de peças com acabamento antiviral

atualizado 05/06/2020 16:18

Vestido branco agênero com malha antiviral da marca J.Boggo+ Carol Santos/J.Boggo+/Divulgação

As indústrias de diversos segmentos têm buscado alternativas criativas para reduzir os impactos da pandemia. O mercado da moda não é diferente. Além de reinventar estratégias de venda e divulgação, tem produzido máscaras e buscado tecidos que garantam uma proteção a mais contra o novo coronavírus. É o caso da malha antiviral usada na minicoleção da marca J.Boggo+, desenvolvida recentemente pela empresa catarinense Dalila Têxtil. Essa é a primeira linha de roupas lançada no Brasil com tal finalidade.

Vem comigo saber mais!

A parceria

De um lado, está André Klein, à frente da Dalila Têxtil e responsável por desenvolver o acabamento antiviral. Do outro, está a etiqueta fundada por Jay Boggo que, há cinco anos, oferece vestuário agênero e artesanal, com modelagens e recortes desconstruídos. Ele foi uma das primeiras pessoas a saber da novidade. O estilista logo investiu em alguns recortes do novo tecido e criou uma minicoleção. São 12 modelos com alta tecnologia e conforto.

“O design foi pensado no seguinte: a pessoa está trabalhando de casa. Nesse novo cenário, as ruas estão liberadas, mas todo mundo está com cautela. Ela tem uma reunião fora, mas estará com essa roupa superconfortável e estilosa. Poderá sair para fazer qualquer reunião sem ter trabalho, mais protegida”, descreveu à coluna.

Vestido branco agênero com malha antiviral da marca J.Boggo+
Vestido agênero da primeira coleção de roupas com acabamento antiviral lançada no Brasil. Quem estrela a campanha é a modelo Rita Carreira, já entrevistada pela coluna

 

Macacão preto agênero com malha antiviral da marca J.Boggo+
As 12 peças são um lançamento da marca J.Boggo+, lançada pelo estilista Jay Boggo há cinco anos

 

Vestido azul agênero com malha antiviral da marca J.Boggo+
A malha antiviral e antibacteriana foi desenvolvida pela empresa catarinense Dalila Têxtil. A tecnologia rompe a camada que envolve o vírus e impede que o DNA/RNA viral seja liberado no interior das células, inibindo sua reprodução
Como funciona

O acabamento antiviral inibe o crescimento e a contaminação de células por grupos virais, como coronavírus, influenza, herpesvírus, dentre outros tipos envelopados e não-envelopados. A proteção acontece por meio de partículas de prata, que bloqueiam a ligação dos micro-organismos nas células hospedeiras.

Durante o processo, a camada que envolve o vírus é rompida. Dessa forma, impede-se que o DNA/RNA viral seja liberado no interior das células, inibindo sua reprodução. Além de antiviral, a malha é também antibacteriana.

Para comprovar a eficácia do acabamento antiviral, o tecido foi testado em laboratório, de acordo com a normativa científica internacional AATCC100, antibacteriana, e a antiviral ISO18184. A tecnologia dura até 20 lavagens em temperatura ambiente.

Vestido branco agênero com malha antiviral da marca J.Boggo+
As peças são comfy e atemporais, como a própria pegada da marca. Já a proteção antiviral funciona com partículas de prata

 

Vestido branco agênero com malha antiviral da marca J.Boggo+
A malha foi testada em laboratório, seguindo critérios para produtos antivirais e antibacterianos

 

Vestido azul agênero com malha antiviral da marca J.Boggo+
A proteção dura até 20 lavagens em temperatura ambiente

 

Tamanha inovação não poderia deixar de lado a pegada ecológica. As novas malhas especiais da Dalila Têxtil, lançadas em maio, são produzidas com estabilizante natural e nacional. Esse é mais um passo para a indústria fashion, que já trabalhava tecnologias que oferecem benefícios para a saúde, como os tecidos com proteção contra raios UV e até contra as ondas de calor da menopausa.

É importante destacar que o uso de roupas antivirais é um plus, mas não substitui os cuidados recomendados pela Organização Mundial da Saúde, como lavar as mãos, evitar tocar o rosto, usar máscara ao sair e, se possível, ficar em casa. O Sars-CoV-2 permanece por 72 horas ou mais em tecidos tradicionais depois do contato com gotículas infectadas. Esse contágio, por meio de superfícies contaminadas, é chamado de contaminação cruzada.

Vestido branco encapuzado agênero com malha antiviral da marca J.Boggo+
Por mais que seja um plus para o momento atual, as peças não substituem os demais cuidados para evitar o contágio pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2), causador da doença Covid-19
J. Boggo +

Questionado se lançará outras coleções com a malha tecnológica, Jay Boggo diz que precisará de tempo para saber a resposta das pessoas ao produto. “Por enquanto, foi uma oportunidade muito bacana de ajudarmos de algum jeito, diante dessa situação que nos deixa tão para baixo”, conta.

As peças da grife já conquistaram artistas como Claudia Raia, Letícia Colin, Mateus Solano, Milhem Cortaz, Ricardo Tozzi e Rainer Cadete. “Eu não sei qual é a cor da estação, trabalhei muitos anos com essa pressão. Quando montei a J, a decisão foi que seria livre. As minicoleções que fazemos são muito intuitivas. Vêm dos desejos da hora, de tocar o pano, senti-lo, repetir modelagens. Somos completamente atemporais”, define.

Estilista Jay Boggo, fundador da marca J.Boggo+, usando macacão da coleção com tecido antiviral
O estilista Jay Boggo conta que os clientes também poderão pedir modelos anteriores que encontrarem no Instagram pela própria rede social ou pelo WhatsApp. Na foto, ele veste um dos modelos da nova coleção
Outras opções de peças antivirais no mercado

Em abril, a fashion tech Insider foi a primeira a investir nessa ideia com o lançamento da camiseta Tech Antiviral. A peça desativa 99,9% dos vírus em até 15 minutos. Vale destacar que a empresa é conhecida pelas roupas com tecnologias termodinâmicas, antisuor e antiodor.

Recentemente, a etiqueta colocou à venda também um modelo de máscara antiviral, que evita a contaminação direta e a cruzada. A eficácia da tecnologia foi comprovada pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e protocolada na Anvisa.

A empresa italiana Albini, fornecedora de etiquetas de luxo como Prada, Armani e o grupo Kering, também lançou um tecido com tecnologia antiviral. A expectativa é que ela seja aplicada em diferentes funções ao longo dos próximos anos, desde equipamentos hospitalares a roupas para viajar. É o futuro, ou seria melhor chamar de presente?

Camiseta da Insider com malha antiviral
Em abril, a fashion tech Insider já havia lançado uma camiseta que desativa 99,9% dos vírus em até 15 minutos

 

Máscara antiviral da Insider
Recentemente, lançou também uma máscara antiviral

Unindo conforto e um estilo contemporâneo, as peças da J.Boggo+ estão disponíveis pelo Instagram e WhatsApp da marca, com prazo de confecção de uma semana. Inclusive, é possível encomendar itens de coleções anteriores com a nova malha.


Colaborou Hebert Madeira

Últimas notícias