Coronavírus: seis marcas chinesas cancelam desfiles em Paris

A federação organizadora da fashion week parisiense promete disponibilizar "plataformas de comunicação" para as grifes que cancelaram shows

Foc Kan/WireImage via Getty Images

atualizado 12/02/2020 16:23

O cronograma da Semana de Moda de Paris, que começa no dia 24 de fevereiro, terá alguns desfalques em consequência do coronavírus. Nessa terça-feira (11/02/2020), a Federação da Alta-Costura e da Moda, organizadora do calendário oficial, anunciou o cancelamento dos desfiles de seis marcas chinesas: Calvin Luo, Jarel Zhang, Maison Mai, Masha Ma, Shiatzy Chen e Uma Wang.

Pelo Instagram, a marca Jarel Zhang informou que a intenção é “garantir a boa saúde e segurança da equipe de ambos os países e reduzir o número de contatos”. A empresa prometeu retornar para os shows de primavera/verão 2021, em setembro. Os desfiles de outono/inverno 2020/21 em Paris estão marcados para acontecer até o dia 3 de março, quando a label desfilaria.

Até o momento, há mais de 44 mil infectados pelo coronavírus, que matou mais de mil pessoas, a maioria na China. No mundo, 26 países têm casos registrados. Em comunicado, o órgão francês afirmou que “disponibilizará todas as suas plataformas de comunicação para que essas marcas compartilhem o trabalho que planejavam apresentar na França e no exterior”.

Harry Wang, diretor executivo da Shiatzy Chen, disse que a grife concentrará esforços em “um novo formato de comunicação” para mostrar a nova coleção. “Achamos que é a ação mais apropriada após pensamentos e considerações profundas”, destaca trecho citado pelo WWD. Assim como a Jarel Zhang, a marca se manifestou sobre o cancelamento por conta própria.

@calvinluo_official/Instagram/Reprodução
Foto de peças da Calvin Luo. A marca é uma das seis grifes chinesas que não estarão presentes nesta edição do Paris Fashion Week devido ao surto do novo coronavírus

 

@calvinluo_official/Instagram/Reprodução
Além da Calvin Luo, foram cancelados os desfiles das marcas Jarel Zhang, Maison Mai, Masha Ma, Shiatzy Chen e Uma Wang

 

@jarelzhang_official/Instagram/Reprodução
A grife Jarel Zhang se manifestou pelo Instagram e disse que a medida é uma forma de garantir a saúde do staff dos dois países, além de reduzir o número de contatos

 

@mashamainsta/Instagram/Reprodução
A Federação da Alta-Costura e da Moda, organizadora do calendário oficial do Paris Fashion Week, informou que oferecerá suas plataformas de comunicação para que as grifes ainda apresentem suas coleções. Esta foto é da Masha Ma

 

@mashamainsta/Instagram/Reprodução
As semanas de moda de Londres e Milão também estimam a ausência de centenas de compradores e editores de moda chineses

 

Na última semana, os organizadores das semanas de moda de Londres e Milão haviam anunciado que centenas de compradores e editores de moda deixariam de viajar para os eventos como uma forma de evitar a propagação da doença.

Na Itália, por exemplo, eles participarão da programação de maneira remota, com shows transmitidos ao vivo e veiculação de conteúdos nas redes sociais. A iniciativa tecnológica e digital foi chamada de “China, estamos com você”. Além da cobertura, eles também devem aumentar as promoções nas compras on-line para atrair os buyers chineses.

O British Fashion Council (BFC), por sua vez, anunciou que tomará ainda mais cuidado com a higiene dos espaços dos shows e oferecerá desinfetantes para as mãos. Os italianos preveem a ausência de cerca de mil chineses no circuito do Milão Fashion Week. Os britânicos estimam que a presença deles será “significativamente reduzida”, como informa a AFP.

Além disso, com o fechamento das fábricas, grifes chinesas como a Angel Chen, que se apresentaria em Milão, não conseguiram finalizar as coleções a tempo de participar da semana de moda italiana. No caso de Londres, isso aconteceu com a marca ASAI, baseada em Xangai.

As consequências não param por aí. A previsão de queda nas vendas do primeiro semestre é de 1,8%, nas contas da Câmara Nacional de Moda Italiana (CNMI).

@umawangofficial/Instagram/Reprodução
Na Itália, os shows serão transmitidos de maneira remota, pelas mídias sociais. Foto da grife Uma Wang

 

@umawangofficial/Instagram/Reprodução
A Câmara Nacional de Moda Italiana estima queda de 1,8% no primeiro semestre, em consequência do impacto do novo coronavírus no mercado

 

@shiatzychen/Instagram/Reprodução
Algumas marcas que desfilariam em Londres e Milão não conseguiram terminar as coleções a tempo devido ao fechamento das fábricas na China. Foto da grife Shiatzy Chen

 

@shiatzychen/Instagram/Reprodução
Os negócios locais e internacionais têm sido afetados pelas medidas protetivas. Foto da grife Shiatzy Chen

 

Enquanto isso, duas semanas de moda da China, de Pequim e Xangai, foram adiadas por causa da doença. Os eventos estavam previstos para começar nos dias 25 e 26 de março, respectivamente.

Os negócios locais e internacionais têm sido afetados pelas medidas protetivas como quarentenas e fechamentos temporários de lojas. Com isso, as vendas chinesas devem cair consideravelmente para várias grifes, uma vez que o país é o maior consumidor do segmento de luxo.

 

Colaborou Hebert Madeira

Últimas notícias