*
 
 

Um grupo de pelo menos 20 cabos eleitorais que trabalharam na campanha do senador e candidato derrotado a deputado federal Hélio José (Pros) acampou em frente ao Anexo II do Senado nesta terça-feira (16/10) para cobrar o pagamento dos serviços prestados. Segundo eles, os valores variam de R$ 250 a R$ 350.

De acordo com os manifestantes, o senador teria prometido quitar os pagamentos em 8 de outubro, um dia após a votação do primeiro turno, o que, segundo o grupo, não ocorreu. “Achamos estranho e cobramos. Ele ficou irritado e disse que não é caloteiro. Nós acreditamos, mas, até agora, nada”, contou o cabo eleitoral Salvador Oliveira da Silva, 61 anos.

O senador ainda teria prometido um “extra” para quem distribuísse santinhos no dia da votação. A prática, conhecida como boca de urna, configura crime eleitoral. “Ele disse que quem fizesse [boca de urna] ganharia mais R$ 100”, afirmou Salvador.

Os trabalhadores também disseram ter assinado contrato com a coordenação de campanha de Hélio José. No entanto, não puderam ficar com a segunda via nem tirar fotos do documento.

Procurado pela reportagem, Hélio José não havia retornado o contato até a última atualização deste texto.

Em 2016, o senador ganhou os holofotes ao ser flagrado, em uma gravação, dizendo que tinha influência suficiente para nomear até mesmo “melancia” para cargos de confiança na Secretaria do Patrimônio da União (SPU).

Suplente de Rodrigo Rollemberg (PSB), Hélio José foi empossado senador em 2015, quando o titular deixou o cargo para assumir o Governo do Distrito Federal. Este ano, o parlamentar disputou cadeira na Câmara dos Deputados, mas, com 16.529 votos, não conseguiu quantidade suficiente para permanecer no Congresso.

Moreira Mariz/Agência Senado

Hélio José na tribuna do Senado



 


CampanhaHélio Josécabos eleitorais