SP: MP Eleitoral vai analisar mudança de domicílio eleitoral de Moro

Legislação exige que candidatos tenham vínculo com novo endereço por três meses antes da mudança do domicílio

atualizado 14/04/2022 20:41

Após filiação ao União Brasil Sérgio Moro faz um pronunciamento no Hotel Intercontinental, em São Paulo. Ele fala diante de microfones e usa terno - MetrópolesFábio Vieira/Metrópoles

São Paulo – A Procuradoria Eleitoral de São Paulo remeteu ao Ministério Público Eleitoral do Estado (MPE-SP) uma notícia-crime para apurar se houve irregularidades na mudança de domicílio eleitoral do ex-ministro Sergio Moro (União) e sua esposa, a advogada Rosângela Moro (União).

No início do mês, Moro e Rosângela transferiram seu domicílio eleitoral do Paraná para São Paulo, quando se filiaram ao União Brasil, com a possibilidade de concorrerem a uma vaga na Câmara dos Deputados ou no Senado nas eleições de outubro. Entretanto, há dúvidas sobre a conexão deles com o estado.

Novo endereço

Um cidadão acionou a Procuradoria Eleitoral para investigar se houve fraude eleitoral nesta mudança. Na última quarta-feira (13/4), o procurador Paulo Taubemblatt proferiu um despacho enviando o caso à primeira instância do MPE-SP porque o casal não tem prerrogativa por foro de função.

Agora, o caso será analisado pelo promotor da 1ª Zona Eleitoral de São Paulo. Moro registrou um flat como moradia em São Paulo, e afirma que usa o estado como um “hub” político desde o fim de 2021.

Pela jurisprudência do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a mudança de domicílio eleitoral exige comprovação de que o novo endereço seja usado pelo possível candidato há no mínimo três meses. Mas também há entendimento no sentido de que o domicílio pode ser comprovado por meio de “vínculos políticos, econômicos, sociais ou familiares”.

 

Mais lidas
Últimas notícias