Coronavírus: conheça o “orçamento de guerra” idealizado por Maia

A PEC foi pensada para evitar que as receitas e despesas da União deste ano fossem "contaminadas" com a pandemia do coronavírus

atualizado 30/03/2020 22:55

Rafaela Felicciano/Metrópoles

Idealizada pelo presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), a proposta de Emenda à Constituição (PEC) do Orçamento de Guerra ganhou uma nova versão. O texto prevê o Comitê de Gestão da Crise, que terá como objetivos fixar a orientação geral e aprovar as ações orçamentárias do governo federal durante o período de calamidade em decorrência do novo coronavírus.

Segundo a última versão à qual o Metrópoles teve acesso, a formação do comitê deve ser composta pelo presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), e ministros de Estado, que deverão ser escolhidos pelo chefe do executivo federal mesmo por meio de um decreto presidencial.

Além disso, serão membros do conselho dois secretários de Saúde e dois secretários de Fazenda de estados e do Distrito Federal e dois secretários de Saúde e dois secretários de Fazenda de municípios, todos escolhidos por entidades representativas – mas sem direito a voto.

Serão escolhidos ainda pelas respectivas instituições um membro do Senado Federal, um da Câmara, um do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), um do Conselho Nacional do Ministério Público e um do Tribunal de Contas da União (TCU).

O objetivo principal da criação do comitê, explicou Maia, é dividir o orçamento da União de forma que as contas deste ano não sejam contaminadas pelo orçamento usado para o estado de calamidade pública, em que o governo não precisa cumprir a meta fiscal. Todas as ações serão fiscalizadas pelo TCU.

A matéria não está na pauta desta terça-feira (30/03) do plenário virtual da Câmara. Porém, Maia tem conversado sobre o tema no últimos dias com líderes partidários e integrantes do governo para colocá-lo em votação ainda nesta semana.

Poder do Congresso
Na última versão do texto, o Conselho poderá ainda contratar pessoal, obras, serviços e compras, com o propósito exclusivo de enfrentamento ao coronavírus e com validade até 31 de dezembro deste ano.

Ainda de acordo com a proposta, o Congresso Nacional poderá anular qualquer decisão ou contrato do comitê ou do Banco Central “em caso de ofensa ao interesse público ou de extrapolação aos limites deste artigo”.

Mais lidas
Últimas notícias