Moro diz que “tem ficado repetitivo” se justificar sobre vazamentos

Em evento em SP, o ministro foi aplaudido e voltou a dizer que hackers invadiram seu celular e se passaram por ele

Isaac Amorim/MJSPIsaac Amorim/MJSP

atualizado 05/07/2019 13:48

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, disse nesta sexta-feira (05/07/2019) que “tem ficado repetitivo” se justificar sobre as mensagens vazadas envolvendo seu nome e de procuradores da Operação Lava Jato. O ex-juiz federal voltou a afirmar que hackers invadiram seu celular e se passaram por ele.

“Não tenho mais as mensagens. Elas são do aparelho [com o aplicativo] Telegram, que eu não uso desde 2017. Informações públicas da empresa são que, após seis meses de inatividade, as mensagens são excluídas”, pontuou Moro durante evento da XP Investimentos, em São Paulo.

O ex-juiz da Lava Jato disse ainda que não é fácil pedir ao Telegram para recuperar as mensagens – as quais poderiam comprovar, ou não, seu posicionamento. Segundo o ministro, “não é que nem ir na esquina”, já que o Telegram não tem representação no país.

Moro ainda brincou com a plateia presente no evento. “Meu celular foi hackeado e o hacker se apropriou do aplicativo Telegram no meu lugar, até gerando situações jocosas, com ele interagindo com pessoas fingindo que sou eu. Tem que pedir para o hacker, então”, ironizou, arrancando risos.

Aplausos
O público recebeu o ministro do governo Bolsonaro de pé, sob aplausos, em uma casa de eventos em São Paulo. As palmas se repetiram diversas vezes durante a apresentação, que durou cerca de uma hora. Moro repetiu que, “embora respeite a liberdade de imprensa”, repudia a divulgação dessas mensagens “com extremo sensacionalismo, fora do contexto, com deturpação do conteúdo, além da possibilidade de adulteração”.

Últimas notícias