Bolsonaro diz que confrontos no Chile preocupam governo do Brasil

Presidente reiterou seu alinhamento com o colega, ao lembrar que Sebastián Piñera o apoiou em sessão da reunião dos países que compõem o G-7

Hugo Barreto/MetrópolesHugo Barreto/Metrópoles

atualizado 21/10/2019 12:01

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) admitiu que os confrontos no Chile contra a gestão de Sebastián Piñera preocupam o governo brasileiro, mas evitou se estender no assunto.

“Tudo o que acontece na América do Sul a gente se preocupa”, disse o chefe do Executivo nacional após ser questionado por jornalistas. O mandatário da República deu a declaração durante passeio que fez a pé pelas ruas de Tóquio. Bolsonaro está no Japão para a cerimônia de coroação do imperador Naruhito.

O titular do Palácio do Planalto reiterou o seu alinhamento com Piñera ao lembrar que o presidente chileno esteve ao seu lado em sessão da reunião dos países que compõem o G-7, em agosto. “O Piñera me apoiou muito no último G-7“, comentou Bolsonaro nesta segunda-feira (21/10/2019).

O chefe de Estado brasileiro se referiu ao período em que protagonizou troca de farpas com o presidente da França, Emmanuel Macron, sobre as queimadas na Amazônia. Na volta do G-7, Piñera visitou Bolsonaro no Palácio da Alvorada.

O mandatário do Brasil não respondeu se entrou em contato com Piñera em meio aos confrontos no país ou se pretende fazê-lo. Também evitou dar sua opinião sobre o movimento popular que protesta contra o aumento no preço das passagens de metrô. As manifestações já deixaram sete mortos.

Últimas notícias