Padrasto é preso por atear fogo em enteada de 21 anos

A menina sofreu queimaduras superficiais e de segundo grau no rosto, nos braços, no pescoço e nas orelhas. O homem estava foragido

atualizado 17/01/2020 16:46

Getty Images

Vilmar Leal, de 53 anos, foi preso nessa quinta-feira (16/01/2020), após ter a prisão temporária decretada pelo Tribunal de Justiça do Rio por quebrar uma medida protetiva e atear fogo na enteada, de 21 anos. O caso ocorreu na madrugada de 11 de outubro do ano passado, em Nova Iguaçu (RJ). As informações são do Extra.

Mesmo impedido pela Justiça de ser aproximar da ex-mulher, uma auxiliar de serviços gerais, de 44 anos, com quem tem um filho, Vilmar invadiu a casa dela e iniciou uma discussão. A enteada de Vilmar estava na residência e tentou interferir. A jovem, então, foi agredida e teve parte do corpo banhado com gasolina e incendiado.

A menina sofreu queimaduras superficiais e de segundo grau no rosto, nos braços, no pescoço e nas orelhas. Após a agressão, Vilmar fugiu.

Nesta quinta-feira (16/01/2020), agentes da Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam) de Nova Iguaçu localizaram e prenderam o suspeito. Segundo a delegada Mônica Areal, titular da Especializada, ele responderá por tentativa de feminicídio.

“Vamos pedir a conversão da prisão temporária em preventiva. O suspeito é perigoso e desrespeitou medidas protetivas”, disse a delegada.

Não é a primeira vez que Vilmar é alvo de uma ação da Polícia Civil. Só na Deam de Nova Iguaçu ele é investigado em mais quatro procedimentos por ameaça, injúria, estupro de vulnerável e lesão corporal.

 

Últimas notícias