Moro diz não ter medo de novas divulgações de conversas

Em diálogos vazados e publicados nesta sexta, o ex-juiz teria questionado possível acordo de delação de Eduardo Cunha e atrasado operações

atualizado 05/07/2019 13:52

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, disse nesta sexta-feira (05/07/2019) que não tem medo sobre o que, eventualmente o site The Intercept Brasil poderá divulgar, após ser questionado sobre matéria publicada nesta manhã pela revista Veja, que traz diálogos entre o ex-juiz e procuradores da Lava Jato.

Moro pediu para que o site apresente todas as mensagens, o que acha, contudo, “ser eticamente reprovável”, mas reiterou que se os diálogos não tiverem adulterações, ele tem convicção de que agiu dentro da legalidade.

Moro voltou a afirmar que não se lembra de mensagens trocadas há dois ou três anos e que um diálogo tirado do contexto ou a inserção de uma palavra pode alterar teor das mensagens. O ministro da Justiça disse que não tem mais as mensagens trocadas pelo Telegram e que o aparelho no qual estava instalado o aplicativo não é usado desde de 2017.

Moro foi muito aplaudido pela plateia em evento da XP Investimentos, formada essencialmente por agentes do mercado financeiro.

“Erro de procedimento”
O ex-juiz também disse que houve um erro de procedimento da revista em não ouvi-lo antes da publicação do texto. “A matéria não dá direito de resposta. Não apresentaram as mensagens a mim para que eu pudesse avaliar e explicar”, disse o ex-juiz, que reiterou não lembrar dos diálogos. “Eu não poderia falar sobre a autenticidade das mensagens, mas posso verificar os fatos”, afirmou.

O ministro disse que é preciso checar a autenticidade das conversas, porque as mensagens podem ter sido adulteradas, parcial ou totalmente. De acordo com a revista Veja, Moro foi procurado, mas não quis receber a reportagem, assim como o procurador Deltan Dallagnol.

Últimas notícias