Justiça afasta perita e servidor por forjarem atentado a tiros em GO

Perita permitiu que homem atirasse nela usando bala com menos pólvora para fingir que tinha sofrido um atentado, segundo investigação

atualizado 22/03/2022 18:32

Kathia Magalhães, perita criminal em Caldas NovasReprodução/TV Anhanguera

Goiânia – O Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO) determinou o afastamento da perita criminal Káthia Mendes de Magalhães, de 41 anos, suspeita de forjar um atentado a tiros contra ela mesma em Caldas Novas em 10 de março. O servidor público municipal Douglas Souza de Oliveira, que também participou da encenação, foi afastado por decisão judicial.

A decisão da juíza Vaneska da Silva Baruki aceita um pedido do Ministério Público e da Polícia Civil, que acusam Káthia e o colega de peculato, fraude processual e porte ilegal de arma de fogo.

0

Segundo as investigações, a perita criminal, que era coordenadora da Polícia Científica em Caldas Novas (GO), pediu que o servidor Douglas atirasse nela. O disparo acertou o tórax na altura do ombro. O objetivo era fingir um atentado e Káthia conseguir transferência da cidade em que trabalhava.

Além de afastados, Káthia e Douglas tiveram a quebra de sigilo dos dados telefônicos, suspensão do porte e posse de arma de fogo, recolhimento das armas que tinham legalmente e proibição de manterem contato entre si ou com demais servidores e testemunhas, segundo decisão judicial.

Promoção

Segundo o Ministério Público de Goiás, além de conseguir transferência da cidade em que trabalhava, Káthia também teria o objetivo de conseguir progressão na carreira, o que incluiria aumento de salário.

A perita disse inicialmente que foi fechada por um carro de farol apagado na rodovia GO-213, em Caldas. Em seguida, ela teria parado o carro para verificar algum dano e foi abordada por homens em uma motocicleta.

Segundo a versão inicial da perita, uma pessoa na garupa da motocicleta teria disparado três vezes contra ela, mas dois dos disparos teriam falhado. Káthia chegou a gravar um vídeo de dentro do hospital, agradecendo a solidariedade por ter sido vítima de um atentado.

No entanto, ela acabou confessando que planejou uma farsa. O secretário de Segurança Pública de Goiás, Rodney Miranda, afirmou que a munição que atingiu a perita teria sido alterada com menos pólvora, para causar um dano menor no momento do disparo.

O Metrópoles vem entrando em contato com a defesa da perita desde a época da ocorrência e não obteve retorno. A reportagem tenta localizar a defesa de Douglas.

Mais lidas
Últimas notícias