Hummm! Jantinha é declarada Patrimônio Cultural Imaterial de Goiânia

Projeto que torna o prato com arroz, feijão tropeiro, mandioca, espetinho e vinagrete em Patrimônio Imaterial de Goiânia é sancionado

atualizado 08/12/2022 16:04

Reprodução

Goiânia – O prefeito da capital goiana, Rogério Cruz (Republicanos), sancionou o projeto de lei que torna a “jantinha” um Patrimônio Cultural Imaterial da cidade. O prato típico, composto normalmente por arroz branco, feijão tropeiro, mandioca, vinagrete e espetinho, é vendido comumente em bares, restaurantes e feiras do município.

A proposta, que havia sido aprovada em segunda e última votação em novembro, foi feita pelo vereador Joãozinho Guimarães (Solidariedade). De acordo com o parlamentar, o título é uma forma de preservar a cultura e respeitar e preservar as tradições goianienses.

Pit-dogs

Os pit-dogs também ganharam reconhecimento de patrimônio cultural e imaterial da capital. Em junho do ano passado, o prefeito Rogério Cruz sancionou o projeto para as tradicionais lanchonetes de rua de Goiânia, que disputam as preferências culinárias da população, ao lado da jantinha e do pequi.

Na ocasião, o gestor também declarou que a nova legislação é importante para valorizar e reconhecer o setor. “Goiânia já deveria ter tido essa lei há muitos anos. Os nossos pit-dogs são citados em todo o Brasil”.

Patrimônio Imaterial

Segundo o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), os bens culturais de natureza imaterial dizem respeito àquelas práticas e domínios da vida social que se manifestam em saberes, ofícios e modos de fazer; celebrações; formas de expressão cênicas, plásticas, musicais ou lúdicas; e nos lugares (como mercados, feiras e santuários que abrigam práticas culturais coletivas).

Mais lidas
Últimas notícias