Floriano Peixoto sobre comandar Correios: “Não é rebaixamento”

General disse que sua saída da Secretaria-Geral da Presidência foi "foi absolutamente consensual e pacífica"

Tomaz Silva / Agência BrasílTomaz Silva / Agência Brasíl

atualizado 22/06/2019 8:45

Escolhido pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) para comandar os Correios, o general Floriano Peixoto afirmou ao jornal O Estado de S. Paulo que recebeu a missão de fortalecer a empresa, mas disse que a ideia de privatizá-la ainda está sendo estudada. Para ele, deixar o cargo de ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República para assumir a estatal não representou um “rebaixamento”.

Como o senhor recebeu a notícia de que deixaria de ser de ministro para assumir os Correios?

Minha saída foi absolutamente consensual, pacífica, atendendo a uma solicitação do presidente. Eu, como soldado que sou, atendi à determinação do presidente, que tem demonstrado uma enorme confiança em mim, que diz que sou seu curinga.

Mas o senhor se sentiu rebaixado?

Não considero rebaixamento. Correios é uma empresa tradicional, histórica, com um patrimônio humano enorme e que precisa de pessoas que somem para recuperar sua saúde financeira. Não vejo a mudança como rebaixamento e isso não passa pela cabeça de ninguém, nem na minha, nem do presidente.

O presidente lhe deu a missão de preparar a empresa para privatizá-la?

Não tenho uma diretriz específica em relação a isso. O que o presidente pede é que haja um contínuo esforço no sentido de fortalecer a empresa. Esta questão de privatização é algo de maior complexidade, que deverá ser estudada à frente, em melhores condições pelo presidente e até pelo Congresso. Eu não ouso dizer nada disso.

Seu antecessor caiu porque, segundo o presidente, atuava como sindicalista, contra a privatização.

O presidente não comentou isso e não me prendo a questões do passado. Estou trabalhando para o futuro.

A saída de outro general do Planalto significa redução do poder dos militares no governo?

Não tem isso. O cargo que ocupava não é de natureza militar e aqui não é quartel. O presidente coloca quem ele quiser onde ele acha que pode render mais, de acordo com o seu preparo.

Últimas notícias