Engenheiro que matou juíza no Rio em frente às filhas vira réu

Paulo José Arronenzi agora vai responder por homicídio qualificado de Viviane Vieira do Amaral Arronenzi perante a um júri popular

atualizado 21/06/2021 16:41

Viviane Vieira do Amaral ArronenziReprodução/Instagram

Rio de Janeiro – O 3º Tribunal do Júri do Rio de Janeiro aceitou, nesta segunda-feira (21), a denúncia contra o engenheiro Paulo José Arronenzi, acusado de matar, a facadas, a ex-esposa, a juíza Viviane Vieira do Amaral Arronenzi, na véspera do Natal do ano passado. O crime ocorreu na Barra da Tijuca, zona oeste da capital, em frente às três filhas do casal.

Agora réu, Paulo foi denunciado pelo Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) por homicídio qualificado por meio cruel, motivo torpe, por meio que impossibilitou a defesa da vítima e em hipótese de violência doméstica, além de crime contra a mulher em razão do sexo feminino.

Na decisão, a Justiça acatou todos os pontos levantados na denúncia. O documento afirma que Paulo cometeu o crime de feminicídio “consciente e voluntariamente”, o que foi agravado pela presença das filhas menores: uma de 10 anos e gêmeas de 7 anos.

Outro agravante foi a motivação do crime. De acordo com a denúncia, Paulo estava inconformado com o término do relacionamento, principalmente pelo fato de Viviane o ajudar financeiramente enquanto eram casados.

A expectativa dos órgãos competentes é que o julgamento seja realizado ainda este ano.

O caso

A juíza Viviane Vieira do Amaral Arronenzi, de 45 anos, foi morta pelo ex-marido, o engenheiro Paulo José Arronenzi, após deixar as filhas na casa do acusado, na avenida Rachel de Queiroz, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio. As meninas passariam o Natal com o pai.

Um vídeo registrou o momento do crime. Na gravação, é possível ouvir o desespero das crianças, que pedem para Paulo parar de golpear Viviane, com quem foi casado entre 2009 e 2020.

0

Um laudo obtido pelo Jornal O Globo apontou que Viviane foi atingida por 16 facadas, das quais 10 foram no rosto.

Após a separação, Viviane chegou a ter escolta armada para se proteger do engenheiro, que já havia a ameaçado e agredido. Porém, a pedido de uma das filhas, a juíza dispensou a proteção.

Últimas notícias