Disputa pelo Senado no PR: Alvaro Dias tem 41%; Moro, 35%, diz Ipec

Na última pesquisa Ipec, Alvaro Dias tinha 46% das intenções de votos válidos, enquanto Moro aparecia com 32%

atualizado 01/10/2022 20:21

O ex-juiz Sérgio Moro ao lado do senador Álvaro Dias, ambos até então do Podemos, posam para foto próximo à residências oficiais dos senadores na Asa Norte. O senador sorri - Metrópoles Reprodução

O senador Alvaro Dias (Podemos) lidera a disputa para o Senado no Paraná, revela pesquisa Ipec (antigo Ibope) divulgada neste sábado (1º/10). Ele tem 41% das intenções de votos válidos.

O ex-juiz federal e ex-ministro da Justiça Sergio Moro (União) aparece em segundo lugar, com 35%.

Os números correspondem aos votos válidos, quando brancos e nulos são desconsiderados. Paulo Martins (PL) tem 14%; Rosane Ferreira (PV), 3%; Aline Sleutjes (Pros) e Orlando Pessuti (MDB), 2%. Dr Saboia (PMN), Desiree (PDT), Laerson Matias (PSOL) e Roberto França da Silva Junior (PCO) têm 1% cada.

Na última pesquisa, divulgada em 16 de setembro, Alvaro Dias tinha 46%; Moro, 32% e Paulo Martins, 10% dos votos válidos.

Presidente, governador, senador e deputados: veja quem são os candidatos nas Eleições 2022

A seguir, confira os votos totais (considera, portanto, brancos, nulos, não sabem ou preferem não opinar) divulgados neste sábado:

  • Alvaro Dias (Podemos): 33%
  • Sergio Moro (União Brasil): 27%
  • Paulo Martins (PL): 13%
  • Rosane Ferreira (PV): 3%
  • Aline Sleutjes (Pros): 2%
  • Orlando Pessuti (MDB): 1%
  • Desiree (PDT): 1%
  • Laerson Matias (PSOL): 1%
  • Roberto França da Silva Junior (PCO): 1%
  • Dr Saboia (PMN): 1%
  • Branco/Nulo: 5%
  • Não sabe ou preferem não opinar: 12%

A pesquisa foi feita entre os dias 29 de setembro e 1º de outubro, em 68 municípios do estado, e ouviu 1.504 pessoas. A margem de erro é de três pontos percentuais, para mais ou para menos.

O levantamento foi registrado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o código BR-04355/2022; e no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) sob o código PR-02084/2022.

Mais lidas
Últimas notícias