Datafolha: na Bahia, ACM Neto tem 51% dos votos válidos; Jerônimo, 38%

Última pesquisa do instituto antes da eleição mostra que há chances de a disputa ser decidida em primeiro turno no estado nordestino

atualizado 01/10/2022 17:32

Em fotos justapostas, os candidatos ao governo da Bahia ACM Neto (UB) e Jerônimo Rodrigues (PT) aparecem em público - Metrópoles Reprodução

O Instituto Datafolha divulgou, no final da tarde deste sábado (1º/10), sua última pesquisa de intenção de voto para o Governo da Bahia. Pelo levantamento, ACM Neto (União Brasil), tem chances de conquistar a vitória no primeiro turno, mas esse desfecho é incerto por causa da margem de erro, que é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

Considerando os votos válidos (que excluem brancos, nulos e indecisos), ACM Neto tem 51% das intenções de voto. Jerônimo Rodrigues (PT) vem em segundo, com 38%. Mais atrás, em terceiro, aparece o ex-ministro João Roma (PL), com 8%.

Presidente, governador, senador e deputados: veja quem são os candidatos nas Eleições 2022

Kleber Rosa (PSOL), Marcelo Millet (PCO) e Giovani Damico (PCB) tiveram 1% cada um.

A pesquisa foi contratada pela rádio Metrópole, da Bahia, e realizada entre sexta-feira (30/9) e sábado (1º/10) e entrevistou 2.500 eleitores. Ela está registrada no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) com o número BA-00751/2022.

Disputa pelo Senado

Ainda segundo a pesquisa Datafolha, o candidato à reeleição Otto Alencar (PSD) lidera as intenções de voto para o Senado pela Bahia, com 53% das intenções de votos válidos. Na sequência, aparecem o deputado federal Cacá Leão (PP), com 28%, e a médica Raíssa Soares (PL), com 11%.

Cícero Araújo (PCO), Tâmara Azevedo (PSOL) têm 3% cada um. Marcelo Barreto Luz para Todos (PMN) tem 2% dos votos válidos.

Presidência

Luiz Inácio Lula da Silva (PT) lidera as intenções de voto para presidente entre os baianos, com 67%. Ele é seguido por Jair Bolsonaro (PL), que vem com 23% e por Ciro Gomes (PDT, que tem 5%. Simone Tebet (MDB) tem 3% e os demais candidatos, somados, somam 2%.

Mais lidas
Últimas notícias