Deputado Sérgio Souza é alvo da PF por fraude em fundos de pensão

Deputado do MDB-PR teria, segundo a Polícia Federal, recebido R$ 3,2 milhões para evitar a convocação e o indiciamento de pessoas

Cleia Viana/Divullgação/Câmara dos DeputadosCleia Viana/Divullgação/Câmara dos Deputados

atualizado 21/10/2019 10:22

A Polícia Federal deflagrou, na manhã desta segunda-feira (21/10/2019), a Operação Grand Bazaar, para desarticular esquema criminoso de pagamentos de vantagens indevidas a parlamentar federal por pessoas envolvidas em fraudes a fundos de pensão. O alvo da operação é o deputado federal Sérgio Souza (MDB-PR). Ele foi relator da CPI dos fundos de pensão.

Estão sendo cumpridos 18 mandados de busca e apreensão, expedidos pelo Supremo Tribunal Federal (STF), em Brasília (DF), Curitiba (PR), São Paulo (SP) e Rio de Janeiro (RJ). Em Brasília, são cinco mandados. Entre os endereços, estão a casa, o gabinete e um escritório do deputado.

A investigação, instaurada em 2018, teve início a partir da colaboração premiada de um importante operador financeiro que atuou em diversas fraudes desvendadas pelas Operações Cui Bono e Patmos, ambas deflagradas pela Polícia Federal em 2017.

As fraudes também foram investigadas por uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), que funcionou na Câmara dos Deputados, em 2015 e 2016.

De acordo com as investigações, o deputado teria recebido R$ 3,2 milhões para evitar a convocação e o indiciamento de algumas pessoas na CPI dos fundos de pensão.

O ciclo de lavagem de dinheiro envolvia a remessa de recursos desviados dos fundos de pensão para empresas de fachada nos Estados Unidos. Com a confirmação do recebimento de valores em contas indicadas no exterior, operadores disponibilizavam recursos em espécie no Brasil, a fim de que fossem entregues em endereços vinculados a supostos intermediários do parlamentar federal, tanto em residências em Brasília, como em hotéis em São Paulo.

Cerca de 100 policiais federais cumprem os mandados judiciais nos endereços dos investigados, que inclui autoridades públicas, beneficiários dos recursos, operadores financeiros, um advogado e empresários que teriam pago vantagens indevidas ao parlamentar em troca de proteção na citada CPI.

Quem é Sergio Souza?
Sergio Souza está no seu segundo mandato como deputado federal. Em 2014, ele se elegeu pela primeira vez depois de exercer, por um curto período, o mandato de senador. Ele era suplente da petista Gleisi Hoffmann, que, no governo de Dilma Rousseff, assumiu como ministra da Casa Civil.

Na época da CPI, Sergio Souza foi relator da força-tarefa que tinha como objetivo investigar desmandos em fundos de pensão. Ele chegou ao posto por indicação do seu partido, que teve uma série de membros envolvidos em denúncias.

Últimas notícias