*

Madonna é admirada no mundo inteiro por suas performances no palco, a energia inesgotável e a habilidade de continuar trabalhando e produzindo música — mesmo que muita gente preconceituosa se incomode com isso. No entanto, a diva também tem seus momentos longe dos holofotes, aos quais ela já admitiu que adora passar com os filhos ou na companhia de bons livros.

Reprodução/Instagram/Madonna

Recentemente, a cantora compartilhou no Instagram Stories a imagem de alguns deles. A maioria das obras estão disponíveis no Brasil e revelam a versatilidade de Madonna que pelo jeito lê de tudo: desde best-sellers religiosos a romances italianos do pós-guerra.

“Davi e Golias” de Malcolm Gladwell
Tendo como base a história bíblica de Davi e Golias, o escritor Malcolm Gladwell descobre regras ocultas que moldam o equilíbrio entre os fracos e poderosos. Sendo assim, o autor não concentra sua narrativa apenas no conto do livro sagrado — que mostra a impressionante vitória do pequeno israelita contra o gigante filisteu — trazendo a ideia do campo de batalha para a contemporaneidade.

A reação dos londrinos aos bombardeios alemães na Segunda Guerra, a mente de pesquisadores do câncer e líderes negros dos direitos civis, os assassinatos e o alto custo da vingança, são alguns dos tópicos explorados pelo livro. Em outras palavras, o autor mostra que o verdadeiro poder não tem nada a ver com vantagem material, mas surge através dos frutos da adversidade e da luta.

“Ele [Davi] é mais esperto do que seu oponente, melhor armado e ele teve essa força extraordinária em seu coração. Quando você entende essa perspectiva, você entende que, às vezes, nosso instinto sobre a origem do poder é errado”, explicou Gladwell para o site RNS

 

 

“As Mulheres do Deserto” de Alice Hoffman
O mundo do antigo judaísmo, bem como o desafio de ser mulher naquele tempo, inspirou a autora Alice Hoffman a escrever sua obra que tem como pano de fundo a primeira guerra entre judeus e romanos. Nos anos que se seguiram à destruição do conflito, cerca de 900 judeus refugiaram-se na fortaleza de Massada, situada no litoral sudoeste do Mar Morto.

De acordo com o historiador Josefo, quando a muralha finalmente caiu, cada chefe de família decidiu matar sua própria família para que estes não fossem submetidos à tortura, estupros e escravidão dos romanos. Apenas duas mulheres e cinco crianças sobreviveram.

Com base neste evento trágico, Hoffman tece um conto de quatro mulheres ousadas que, mesmo diante de uma brutalidade desonesta e a pressão do desespero optaram pela esperança e o vínculo feminino.

“Sapiens –  Uma História Breve da Humanidade” de Yuval Noah Harari
Nesta obra, Yuval Noah Harari, doutor em História pela Universidade de Oxford, mostra uma visão macro da a história dos seres-humanos. Mais que uma simples aula de história, Harari levanta questões de identidade, consciência e inteligência, lidando com o tipo de escolhas e dilemas que um mundo totalmente automatizado nos apresenta.

Para isso, o autor divide o livro em três tópicos, que ele chama de “revoluções. Primeiro, a revolução “cognitiva” que ocorreu há cerca de 70 mil anos — quando começamos a nos comportar de maneiras muito mais engenhosas com o desenvolvimento da linguagem. Depois, a revolução agrícola, que trouxe fatores como fome, maior suscetibilidade à doenças e formas desonestas de hierarquia. Harari acha que a troca foi uma “barganha ruim” e que estávamos melhor na era da pedra.

A “revolução científica” começa há cerca de 500 anos e desencadeia a revolução industrial, há cerca de 250 anos, o que desencadeia a revolução da informação, há cerca de 50 anos, o que desencadeia a revolução biotecnológica, que Harari suspeita sinalizar o fim do sapiens.

 

“Mais esperto que o Diabo” de Napoleon Hill
Napoleon Hill escreveu este livro em 1938, no entanto, sua narrativa continua sendo atual para quem gosta de uma literatura motivadora. Usando sua habilidade para chegar à raiz do potencial humano, o autor, que foi assessor do presidente Franklin Delano Roosevelt, identifica os maiores obstáculos que enfrentamos para alcançar objetivos pessoais: medo, procrastinação, raiva e ciúme, como ferramentas do Diabo.

Sabendo que esses métodos ocultos de controle podem nos levar à ruína, o escritor revela os sete princípios do bem que nos permitirão triunfar sobre eles e ter sucesso. Além disso, a obra mostra ao leitor como criar a própria renda para o sucesso, harmonia e realização em momentos de incerteza.

 

“Cérebro Adolescente” – de Daniel J. Siegel
Madonna é mãe de 6 filhos, quatro deles já são adolescentes, por isso, nada mais justo do que compreender esse universo. Para o autor, é importante que os pais considerem que na adolescência, o cérebro está sendo transformado de forma maciça e suas funções terão um impacto duradouro.

Siegel, professor de psiquiatria clínica na Universidade da Califórnia, dividiu a obra em quatro partes. Nelas, o autor explora a essência da adolescência moderna, desmistifica o funcionamento interno do cérebro adolescente, descreve como os relacionamentos moldam o senso de identidade e oferecem dicas para que pais e filhos trabalhem juntos para formar uma conexão profunda uns com os outros .

Por isso, ele procura dissipar o mito de que os problemas dessa fase a são devidos a hormônios furiosos, convencendo os leitores de que os adolescentes não só podem sobreviver a esse período como também prosperar com ele.

“A Amiga Genial” de Elena Ferrante
Elena Ferrante optou por deixar apenas sua obra brilhar enquanto ela permanece anônima. A escritora italiana é autora de seis romances, entre os quais o famoso “A Amiga Genial”, mas nunca fez nenhuma aparição pública. O enredo do livro, no entanto, ganhou proporções inimagináveis, aparece nas listas de best sellers e em breve servirá de inspiração para uma série da HBO.

A história começa na década de 1950, num bairro pobre mas vibrante nos arredores da Nápoles do pós-guerra (talvez venha daí a identificação de Madonna com a obra, já que a estrela pop tem origem italiana e também nasceu nessa época). Crescendo nessas ruas difíceis, duas garotas aprendem a confiar uma na outra antes de qualquer pessoa ou qualquer outra coisa.

Mesmo sendo um retrato ficticioso da história, a obra também narra as formas de realização de uma nação passando por mudanças importantes.