Você tem medo de quê? Confira uma lista das 7 fobias mais comuns

Palhaços, aranhas, altura, buracos, pessoas... Algumas das reações exageradas a esses estímulos podem ser tratadas com acompanhamento médico

atualizado 28/10/2019 20:57

Melanie Wasser/Unsplash

O medo é uma emoção básica que permite aos seres humanos e animais evitarem situações de perigo. No entanto, quando exagerado, persistente e irracional, é considerado uma fobia. Medos desse tipo levam a pessoa a fugir da situação causadora, provocando sentimentos desagradáveis, como ansiedade, tensão muscular, tremor, rubor, palidez, sudorese, taquicardia e pânico.

Existem vários tipos de fobias que podem ser enfrentadas e tratadas com sessões de psicoterapia ou com o auxílio de medicamentos específicos.

1. Tripofobia
Também conhecida por “medo de buracos”, acontece quando se sente mal-estar, coceira, tremores, formigamento e repulsa no contato com objetos ou imagens que tenham buracos ou padrões irregulares, como favos de mel, agrupamentos de buracos na pele, em madeiras, plantas ou esponjas, por exemplo. Em casos mais graves, esse contato pode provocar enjoos, aumento dos batimentos cardíacos e, até mesmo, levar a uma crise de pânico.

Segundo uma investigação recente, isso acontece porque as pessoas com tripofobia fazem uma associação mental inconsciente entre esses padrões e uma possível situação de perigo. A repulsa deve-se à semelhança dos buracos com vermes que causam doenças na pele ou com a pele de animais venenosos.

2. Agorafobia
Caracteriza-se pelo medo de permanecer em espaços abertos ou fechados, de usar transportes públicos, estar em uma fila, ficar no meio de uma multidão ou mesmo de sair de casa sozinho. Nessas situações ou ao pensar nelas, as pessoas com agorafobia sentem ansiedade e pânico ou têm outros sintomas incapacitantes.

A pessoa que teme essas situações as evita ou enfrenta com muito medo e ansiedade, precisando da presença de uma companhia para as suportar. Nesses casos, o indivíduo tem uma preocupação constante de sofrer ataques de pânico, de perder o controle em público ou de que aconteça algo perigoso com ela.

Esta fobia não deve ser confundida com fobia social, em que o medo vem da incapacidade para interagir com outras pessoas.

3. Fobia social
O transtorno de ansiedade social caracteriza-se por um medo exagerado de lidar com outras pessoas, o que pode limitar muito a vida social e conduzir a pessoa a estados depressivos. Quem tem fobia social se sente muito ansioso em situações como comer em locais públicos, entrar em lugares cheios, ir a uma festa ou a uma entrevista de emprego, por exemplo.

Geralmente, essas pessoas se sentem inferiores, têm baixa autoestima, medo de serem agredidas ou envergonhadas pelos outros e, provavelmente, passaram por experiências traumatizantes, como bullying e agressões, ou foram muito pressionadas pelos pais ou professores.

Os sintomas mais frequentes da fobia social são ansiedade, aumento do ritmo cardíaco, dificuldade em respirar, suores, rosto vermelho, mãos trêmulas, boca seca, dificuldade em falar, gagueira e insegurança. Além disso, a pessoa fica muito preocupada com o seu desempenho ou com o que poderão pensar dela. A fobia social tem cura com tratamento.

4. Claustrofobia
A claustrofobia é um tipo de transtorno psicológico em que há medo de estar em locais fechados, como elevadores, ônibus muito cheios ou cômodos pequenos. As causas desta fobia podem ser hereditárias ou estar associadas a um episódio traumático na infância.

As pessoas com claustrofobia acreditam que o espaço onde estão vai ficando menor, e desenvolvem sintomas de ansiedade, como suores excessivos, boca seca e aumento do ritmo cardíaco.

5. Aracnofobia
O medo de aranha é uma das fobias mais comuns e acontece quando há temor exagerado de estar perto de aracnídeos. A situação leva a pessoa a perder o controle, sentir tonturas, e causa aumento do ritmo cardíaco, dor no peito, falta de ar, tremores, suor excessivo, pensamentos de morte e enjoos.

Não se sabe ao certo quais são as causas da aracnofobia, mas acredita-se que ela pode ser uma resposta evolutiva, já que as aranhas mais venenosas provocam infecções e doenças. O medo é uma espécie de mecanismo de defesa inconsciente do organismo.

6. Coulrofobia
A coulrofobia é um medo irracional de palhaços. Acredita-se que essa fobia possa começar na infância, porque as crianças são muito reativas a pessoas estranhas ou devido a um episódio desagradável que possa ter acontecido. Além disso, o simples fato do desconhecido, de não se saber quem está por trás da máscara, provoca uma reação exagerada de receio e insegurança. Outra causa pode ser a forma como os palhaços maus são representados na televisão ou no cinema.

Embora sejam vistos por muitos como uma brincadeira inofensiva, os palhaços provocam em pessoas com coulrofobia sintomas como suor excessivo, enjoo, batimento cardíaco acelerado, respiração rápida, choro, gritos e irritação.

7. Acrofobia
O medo de altura é uma fobia exagerada e irracional de locais altos, especialmente quando não há proteção. Esta fobia pode ser desencadeada por um trauma vivido no passado, por reações exageradas dos pais ou dos avós sempre que a criança estava em locais com alguma altura ou, simplesmente, por instinto de sobrevivência.

Além dos sintomas comuns a outros tipos de fobia – como suor excessivo, tremores, falta de ar e aumento do ritmo cardíaco –, essa fobia se caracteriza também pela incapacidade de confiar no próprio equilíbrio, por tentativas constantes de se agarrar a algo e por choro e gritos. (Com informações do portal Tua Saúde)

Últimas notícias