Próxima variante deve ser mais letal do que a Ômicron, diz cientista

Pesquisador de laboratório da África do Sul estudou o comportamento de evolução do vírus em um paciente imunossuprimido portador do HIV

atualizado 29/11/2022 19:02

Imagem em preto e vermelho mostra a evolução do coronavírus - Metrópoles Sigallab/Reprodução

O virologista Alex Sigal, do Africa Health Research Institute em Durban, da África do Sul, acredita que a próxima variante do coronavírus pode provocar sintomas mais graves e se tornar mais letal do que a Ômicron. O pesquisador atua no mesmo laboratório que testou pela primeira vez como a Ômicron reagia às vacinas mais antigas.

Sua conclusão é baseada na análise da evolução do coronavírus em um paciente imunossuprimido portador do HIV que abrigou o Sars-CoV-2 por seis meses. Ele é um dos vetores mais antigos conhecidos da Ômicron.

As pessoas com o sistema imunológico comprometido não conseguem eliminar adequadamente o vírus, o que permite que ele se replique e sofra mutações repetidamente. Este processo pode levar ao surgimento de novas variantes mais adaptadas ao ambiente.

Os cientistas sequenciaram amostras do vírus presentes no sangue coletado do paciente ao longo do estudo – logo após o diagnóstico, ao final do primeiro mês, em três meses e ao final do sexto mês – para estudar sua evolução.

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
Publicidade do parceiro Metrópoles 3
0

No início da infecção, o vírus causou o mesmo nível de fusão e morte celular que a subvariante BA.1. Com o passar do tempo, ele evoluiu e foi responsável por mais morte e fusão celular, levando ao aumento da inflamação nos pulmões.

Com seis meses, aproximadamente no dia 190 da infecção, o vírus se tornou semelhante à versão ancestral, identificada em Wuhan, considerada mais letal do que a Ômicron. A descoberta sugere que as mutações podem levar a uma nova variante que causa mais quadros graves e mortes.

“O vírus inicial foi atenuado. No entanto, pelos parâmetros que medimos, ele tornou-se mais forte, mostrando que a evolução de longo prazo nem sempre leva a uma variante mais fraca. Portanto, a próxima cepa principal, se vier, pode não ser necessariamente tão leve quanto a Ômicron“, escreveu Sigal no Twitter.

Receba notícias do Metrópoles no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/metropolesurgente.

Mais lidas
Últimas notícias