metropoles.com

Precisa de um novo hábito? Neurocientista ensina a mudar comportamento

Abandonar atitudes que estão consolidadas costuma ser um processo difícil. Aprenda a fazer o cérebro operar a seu favor

atualizado

Compartilhar notícia

Getty Images
ilustração: cérebro malhando - Metrópoles
1 de 1 ilustração: cérebro malhando - Metrópoles - Foto: Getty Images

O comportamento estável, chamado de hábito, só pode ser mudado ou eliminado com muito esforço. Os hábitos indicam características individuais, pois se formam na memória de cada pessoa.

De acordo com a neurocientista Livia Ciacci, há uma importante relação entre os conceitos de hábito e memória. “A necessidade de memorizar comportamentos sempre foi primordial para nossa sobrevivência: ter o hábito de evitar locais escuros e preferir alimentos mais calóricos foram extremamente relevantes em ambientes selvagens”, exemplifica Lívia, da escola de ginástica para o cérebro Supera.

No entanto, o ser humano é um ótimo aprendiz e tem a possibilidade de buscar um equilíbrio entre o “instinto” e a razão. Na hora de escolher um comportamento novo e incorporá-lo na rotina, é importante aprendê-lo e praticá-lo muitas vezes. Nesse momento, entra o esforço consciente.

0

Mudando comportamentos

Mudar alguma conduta requer autocontrole. O cérebro memoriza ações. Então, ao mudar uma delas, certo desconforto é gerado. Dormindo entre sete e oito horas por dia, não consumindo drogas ou álcool, mantendo boa alimentação e praticando exercícios físicos, você receberá diariamente recargas na sua capacidade de autocontrole.

“Para usar o autocontrole na mudança de comportamento, é preciso estar com essa capacidade carregada ao máximo, e não a gastar totalmente com outras demandas que exigem esforço. Por isso, o processo não será igual para todas as pessoas. Também devemos buscar dar um passo de cada vez”, alerta a especialista.

Cérebro precisa de tempo

Para que sejam desenvolvidas novas formas de pensar e agir, o cérebro precisa de tempo. O mais importante é treiná-lo diariamente.

Hábitos são formados por recompensa e gatilho. Procure abandonar aquele hábito que faz você fugir do seu objetivo. Se naquela rua vende aquela sobremesa que lhe afasta da dieta, então, não passe por ela – evite o gatilho. Por outro lado, se estiver indo bem com seu propósito, associe-o a algo positivo – essa é a recompensa.

Para uma mudança, as maiores aliadas são a disposição e a insistência. Não esqueça de criar uma rotina para desenvolver um novo hábito ou eliminar um antigo. O cérebro trabalha com repetição.

É necessário também investir no autoconhecimento: cada comportamento está atrelado a uma necessidade emocional. Entender quais emoções estão ligadas a hábitos que você quer mudar é importante para criar outros que tenham eficiência equivalente aos antigos. Assim, o cérebro começa a substitui-los.

(*) Danielle Souza é estagiária do Programa Mentor e está sob supervisão da editora Maria Eugênia

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comSaúde

Você quer ficar por dentro das notícias de saúde mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações