Se você é mãe, certamente já recebeu uma foto que circula frequentemente na internet com um bebê cheio de lesões vermelhas no rosto por conta do vírus da herpes. Recentemente, em São Paulo, um bebê de 17 dias contraiu a doença (foto em destaque) após receber visitas em casa e precisou ficar internado no hospital por vários dias. A mãe publicou a imagem nas redes sociais para alertar outras pessoas sobre os perigos desse tipo de contaminação.

Coordenador de Pediatria do Hospital Santa Lúcia em Brasília e membro da Sociedade Brasileira de Pediatria, Alexandre Nikolay explica que a forma mais comum de contágio em bebês é a herpes simples tipo um, que se manifesta por meio de feridas na pele, principalmente na boca. Para que o bebê seja contaminado, o vírus precisa estar ativo. O médico alerta ainda que o micro-organismo “não pula”, ou seja, o bebê precisa necessariamente ter contato com a saliva da pessoa doente.

Embora seja grave, a contaminação não é necessariamente fatal, embora possa matar. Os casos variam: há bebês que ficam com lesões na pele, estomatite hepática com aftas na boca e inchaço da gengiva. Em casos mais severos, o sistema nervoso central pode ser infectado, causando meningite viral. Existe tratamento para todos esses quadros, mas os médicos recomendam que os pais procurem um hospital o quanto antes.

O médico infectologista Leandro Machado alerta que os pais podem fazer uma lista para familiares e amigos com as precauções necessárias ao visitar um recém-nascido. Entre elas, pessoas que estejam doentes não devem ir ver o bebê, e as visitas devem evitar ficar beijando a criança no rosto, mãos e boca. A higienização também é muito importante. De acordo com o especialista, a recomendação hoje em hospitais é usar álcool gel das mãos até o cotovelo.

O doutor Alexandre Nikolay explica que os pais devem evitar receber visitas e sair de casa nos primeiros dois meses, principalmente em lugares de grande aglomeração. “Tudo é bom senso. Até os 28 dias, o bebê é considerado recém-nascido e a imunidade é muito baixa”, afirma. Segundo ele, o aleitamento materno também auxilia no reforço do sistema imunológico da criança.