Estudo: vacina pode evitar recidiva pós-cirurgia de câncer pancreático

Pesquisadores americanos criaram imunizante baseado na tecnologia de RNA das vacinas da Covid-19 para tratar pacientes com a doença

Usando a tecnologia de RNA das vacinas contra a Covid-19, pesquisadores americanos conseguiram criar um imunizante que age contra o crescimento de tumores no pâncreas depois da cirurgia de retirada do câncer. Cerca de 18 meses depois, metade dos pacientes que participaram do estudo clínico continuam livres de neoplasias.

A pesquisa foi feita por cientistas do Memorial Sloan Kettering Cancer Center, nos Estados Unidos, e apresentada no encontro anual da Sociedade Americana de Oncologia Clínica (ASCO), na semana passada. Os pacientes tomaram nove doses da vacina, que foi aplicada por via intravenosa, diferente das injeções tradicionais aplicadas em músculos.

A fórmula insere códigos genéticos que servem como uma “receita” para o corpo do paciente criar células imunológicas, que atacarão tumores em formação. A tecnologia é desenvolvida de maneira personalizada, tomando como base o DNA do tumor do paciente.

Participaram do estudo 16 pessoas com o tipo mais frequente de câncer pancreático. Em seis deles, houve recidiva do câncer 13,4 meses depois. Nos pacientes em que o tratamento funcionou, as células cancerígenas não voltaram.

1/14
Segundo o Instituto Nacional de Câncer, para cada ano do triénio 2020/2022 serão registrados cerca de 625 mil casos da doença no Brasil
Extremamente comum no país, o câncer de pele é caracterizado pelo aparecimento de tumores na pele em formato de manchas ou pintas com formatos irregulares. Relacionada à exposição prolongada ao sol, exposição a câmeras de bronzeamento artificial ou por questões hereditárias, a doença pode ser tratada através de cirurgias, radioterapia e quimioterapia
O câncer de mama é causado pela multiplicação descontrolada de células na mama. Apesar de ser comum em mulheres, a enfermidade também pode acometer homens. Entre os sintomas da doença estão: dor na região da mama, nódulo endurecido, vermelhidão, inchaço e secreção sanguinolenta. O tratamento envolve cirurgia para retirada da mama, quimio, radioterapia e hormonioterapia
Mais frequente em homens, o câncer de próstata apresenta os seguintes sintomas: sangue na urina, dificuldade em urinar, necessidade de urinar várias vezes ao dia e a demora em começar e terminar de urinar. Cirurgia e radioterapia estão entre os tratamentos da doença
Embora possa estar relacionado com hipertireoidismo, tabagismo, alterações dos hormônios sexuais e diabetes, por exemplo, o câncer de tireoide ainda não é bem compreendido por especialistas. Apesar disso, tratamentos contra a doença envolvem terapia hormonal, radioterapia, iodo radioativo e quimioterapia, dependendo do caso
O câncer de pulmão é um dos tipos com maior incidência no Brasil. Relacionado ao uso ou exposição prolongada ao tabagismo, tem como principais sintomas a falta de ar, dores no peito, pneumonia recorrente, bronquite, escarro com sangue e tosse frequente. A doença é tratada com quimioterapia, radioterapia ou/e cirurgia
No Brasil, o carcinoma epidermoide escamoso tem a maior incidência entre os canceres de estômago. Os tratamentos envolvem cirurgia ou radioterapia e quimioterapia
O câncer de estômago é diagnosticado após a identificação de tumores malignos espalhados pelo órgão e que podem aparecer como úlceras. Relacionado à infecções causadas por Helicobacter Pylori, pela presença de úlceras e de gastrite crônica não cuidada, por exemplo, a doença pode causar vômito com sangue ou sangue nas fezes, dor na barriga frequente e azia constante
O câncer de colo de útero tem como sintomas sangramento vaginal intermitente, dor abdominal relacionada a queixas intestinais ou urinárias e secreção vaginal anormal. O tratamento envolve quimio, radioterapia e cirurgia
O câncer de boca é uma doença que envolve a presença de tumores malignos nos lábios, gengiva, céu da boca, língua, bochechas e ossos. É mais comum em homens com mais de 40 anos e tem como sintomas feridas na cavidade oral, manchas na língua e nódulos no pescoço, por exemplo. O tratamento envolve cirurgia, quimio e radioterapia

“Essas vacinas parecem estimular a resposta imunológica, e estamos muito animados com isso. Os primeiros resultados sugerem que, se você tem uma resposta imune, deve ter um desfecho melhor. Os pacientes estão, nesse momento, sem câncer e em vigilância ativa”, explicou o autor do estudo, Vinod Balachandran, em comunicado.

Receba notícias do Metrópoles no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/metropolesurgente.