Coronavírus: 300 pessoas morrem envenenadas após beberem metanol

Fake news de que a substância tóxica curaria Covid-19 provocaram as mortes e deixaram mais de mil doentes

Uma falsa promessa de cura fez com que cerca de 300 pessoas morressem e mais de mil ficassem doentes após ingerirem metanol no Irã. De acordo com a imprensa internacional, a tragédia ocorreu devido ao desespero para se protegerem do novo coronavírus, que causa a Covid-19.

Fake news sobre remédios se espalharam nas mídias sociais iranianas, comunicando que a ingestão de álcool industrial mataria o vírus de seus corpos. O líquido, no entanto, é altamente inflamável, com características de solvente, pode causar cegueira e levar à morte.

1/20
Na Itália, pacientes terminais de coronavírus ganharam o direito de dar adeus às famílias por meio de videoconferências
Profissionais de saúde mostram as marcas provocadas pelos equipamentos de segurança
Equipes do Escritório Regional do Mediterrâneo Oriental, da Organização Mundial da Saúde foram em missão no Irã ver a situação de pacientes infectados com o novo coronavírus
Membros da OMS no Irã para acompanhar a evolução do novo coronavírus
Uma família na Austrália comprou acidentalmente 2,3 mil rolos de papel higiênico em meio à pandemia de coronavírus
Em imagens postadas nas rede sociais, Haidee Janetzki aparece sendo "coroada" como a rainha do trono de papel higiênico
Eles receberam as caixas de papel higiênico em meio ao desabastecimento de produtos nos comércios da Austrália
Vídeos divulgados nas redes sociais mostraram o pátio do local mais sagrado do Islã em Meca, na Arábia Saudita, praticamente deserto
Com medo de serem contaminadas pelo novo vírus, pessoas passaram a usar camisinhas para apertar botões de elevador
A pandemia de coronavírus provocou correrias a supermercados e farmácias, onde as pessoas esgotaram alguns produtos
Fotos de pessoas apertando botões de elevadores com camisinhas viralizaram
No início da pandemia, rolos de papel higiênico chegaram a faltar em vários supermercados do mundo
Moradores estão estocando itens de todo tipo
Pessoas em Cingapura e na Austrália estão estocando itens básicos por receio do coronavírus
Navio Diamond Princess, um dos primeiros focos de coronavírus fora da China, foi isolado em porto do Japão após casos confirmados
Pangolim é apontado como hospedeiro intermediário do novo coronavírus
Desinfecção de funcionários de uma funerária depois de o grupo lidar com o corpo de uma pessoa que morreu em decorrência do novo coronavírus
Trabalhador de equipe médica pelas ruas de Wuhan, na China
Mulher usa máscara no mercado de Huanan, em Wuhan, o centro da epidemia de coronavírus. O local está interditado
Em Pequim, uma mulher usa máscara e óculos de sol para se proteger do coronavírus

Uma das vítimas mais jovem tem 5 anos. O garoto foi obrigado pelos pais a ingerir a substância tóxica. Ele perdeu a visão e segue internado. O estado de saúde dele é desconhecido.

O caso ocorreu em meio ao crescente número de pacientes contaminados com o coronavírus. Teerã, capital do país, anunciou nesta sexta-feira (27/03) 144 novas mortes, elevando o total de falecimentos por Covid-19 a 2.398, além de 2.926 novos casos, totalizando 32,3 mil infectados.

Contrabando de álcool

O consumo de álcool é proibido na República Islâmica e contrabandistas facilitaram a venda da substância tóxica na região.

A República Islâmica registrou cerca de 29 mil casos confirmados e mais de 2,2 mil mortes pelo vírus, o número mais alto de todos os países do Oriente Médio.

Até o momento, não há cura para a Covid-19, doença causada pelo vírus Sars-CoV-2. Cientistas e médicos em todo o planeta seguem estudando, em busca de remédios eficazes e de uma vacina.