Cientistas criam exame para facilitar diagnóstico de tumor cerebral

Pesquisadores do Canadá inventaram um método mais simples e acessível para o rastreamento de meduloblastomas em crianças

Um novo teste para identificar o meduloblastoma, tipo de tumor cerebral maligno mais comum na infância, foi desenvolvido por pesquisadores da Universidade da Colúmbia Britânica (UBC), no Canadá. O exame vai facilitar o diagnóstico das neoplasias mais agressivas e possibilitar a indicação de tratamento mais rapidamente.

Em artigo publicado na plataforma Clinical Cancer Research, os criadores do método contaram que o teste é capaz de diferenciar os casos de meduloblastoma de risco extremamente alto, que precisam de radioterapia imediata, dos de baixo risco, que não têm a mesma indicação de tratamento.

O método possibilitará que as equipes médicas decidam pela melhor estratégia, poupando as crianças que não precisam de abordagens agressivas, como a radio e a quimioterapia cerebral.

Atualmente, apenas testes sofisticados e muito caros, realizados em um número limitado de laboratórios ao redor do mundo, conseguem identificar as formas mais agressivas da doença.

O novo teste usa uma técnica chamada imunohistoquímica, que é bastante comum. O desenvolvimento do método foi possível porque os pesquisadores conseguiram identificar uma proteína chamada TPD52, altamente expressa no meduloblastoma mais agressivo.

“Ao usar uma técnica que está disponível em praticamente todos os laboratórios clínicos, nosso novo teste tem o potencial de melhorar o diagnóstico e o tratamento futuro do meduloblastoma em crianças em quase todos os cantos do planeta”, afirmou o principal autor do estudo, Alberto Delaidelli, em entrevista ao Eurekalert.