Após 2ª Guerra, cirurgia e fraturas, idosa sobrevive ao Covid-19

Mulher de 86 anos prova ao mundo que o novo coronavírus não é uma sentença de morte para todos os idosos

Barbara Briley abraçada ao filho Richard BrileyReprodução/Facebook

atualizado 28/03/2020 21:42

Contra todas as possibilidades imaginadas pelos médicos, uma inglesa de 86 anos está em plena recuperação após graves complicações do novo coronavírus e provou que o diagnóstico de Covid-19 não é sempre uma sentença de morte para os idosos.

O caso extraordinário de Barbara Briley foi compartilhado nas redes sociais de familiares dela e reproduzido pelo site de notícias Nottinghamshire Live. Os médicos estavam prestes a cumprir a ordem de não ressuscitação após a paciente ter sido internada e, seis dias depois, apresentar piora no quadro de saúde, quando seu peito se encheu de líquido.

0

A família conta que Barbara Briley “sobreviveu a Hitler”, vivendo momentos de perigo durante a Segunda Guerra Mundial, a uma cirurgia de coração aberto, além de procedimentos clínicos nos dois joelhos e, por duas vezes, no quadril.

Na conta de “batalhas vencidas” da mulher agora está a recuperação da doença que causou uma pandemia com milhares de mortos em todo o planeta.

Fratura e vírus

Ela fraturou o quadril em fevereiro deste ano e sofreu uma segunda queda durante a fisioterapia, em 12 de março. Familiares a levaram às pressas para o Queen’s Medical Center, em Nottingham. Lá, ela testou positivo para a Covid-19, além de uma fratura na coluna.

Seis dias depois, o estado de saúde piorou e os médicos não tinham mais esperanças de que ela saísse daquela situação. No entanto, Barbara mostrou que é uma lutadora. A equipe que a ajudou na recuperação agora faz todos os esforços para que a senhora deixe o hospital o mais rápido possível.

Um dos filhos, Richard Briley, postou uma foto ao lado da mãe e contou que ela chegou a passar uma semana em uma unidade de terapia intensiva. “Hoje, ela recebeu a certeza de que este é o tipo de coisa na qual a mídia tem que se concentrar, de que há esperança”, escreveu ele em uma publicação no Facebook.

Karen Gabriel, que também é filha da idosa, disse que a família estava “esperando uma ligação” para informá-los do pior, o que felizmente não ocorreu. O neto James Gabriel, 24, acrescentou que a avó está ansiosa para voltar ao seu grupo de amigos e para a comunidade de Wollaton”.”Não é um milagre. É um trabalho duro do NHS e do espírito de luta da avó.

Mãe de três filhos e avó de outros três, Barbara nasceu pouco antes da Segunda Guerra Mundial e contou aos filhos história tristes do período de guerra, quando costumava correr pela floresta de Colwick enquanto os bombardeiros voavam sobre sua cabeça.

Últimas notícias