Luc Montagnier, que descobriu o vírus da Aids, morre aos 89 anos

O óbito ocorreu na terça-feira, mas só foi divulgado para a imprensa na tarde desta quinta-feira. Montagnier estava internado na França

atualizado 10/02/2022 17:06

Roberto Serra - Iguana Press/Getty Images

O virologista Luc Montagnier, cientista que descobriu o vírus da Aids, morreu aos 89 anos. Ele recebeu o Nobel de Medicina em 2008.

O óbito ocorreu na terça-feira (8/2), mas só foi divulgado para a imprensa na tarde desta quinta-feira (10/2). Montagnier estava internado no Hospital Americano em Neuilly-sur-Seine, na França. A causa da morte não foi divulgada.

Montagnier e o Françoise Barre-Sinoussi isolaram o vírus da imunodeficiência humana (HIV). A descoberta acelerou o caminho para testes da doença e medicamentos antirretrovirais.

A pesquisa começou em janeiro de 1983, quando amostras de tecido chegaram ao Instituto Pasteur de um paciente com o sistema imunológico.

A Aids chegou ao conhecimento público pela primeira vez em 1981, quando médicos norte-americanos notaram um grupo incomum de mortes entre jovens gays na Califórnia e em Nova York.

Ao longo da carreira, Montagnier chefiou o departamento de Aids de Pasteur, entre 1991 e 1997, e lecionou no Queens College, em Nova York.

O pesquisador nasceu em 8 de agosto de 1932 em Chabris, na região de Indre, no centro da França.

Polêmicas

Nos últimos anos, Montagnier se afastou da ciência e se envolveu em diversas polêmicas. A mais recente delas, envolvendo a pandemia de Covid-19, doença causada pelo coronavírus.

Para ele, o vírus teria sido criado em laboratório e as vacinas provocado o surgimento de variantes. Todas as afirmações foram desmentidas por cientistas.

Além disso, o cientista causou polêmica ao sugerir que o autismo é causado por infecção e que poderia ser tratado com antibióticos; que a água tem capacidade de reter uma memória de substâncias; e que qualquer pessoa com um bom sistema imunológico poderia combater o HIV com a dieta certa. (Com informações de agências internacionais) 

Mais lidas
Últimas notícias