EUA doarão 6 milhões de doses de vacina para a América Latina, incluindo Brasil

Governo norte-americano anunciou que irá doar 80 milhões de doses até julho deste ano. Primeiro lote tem 25 milhões de doses

atualizado 03/06/2021 16:03

JOE BIDEN CUPULA DO CLIMA cópiaThe White House

O governo dos Estados Unidos anunciou, nesta quinta-feira (3/6), que irá doar 25 milhões de doses da vacina contra o novo coronavírus a outros países – incluindo o Brasil. Ainda não há, contudo, definição da quantidade de doses que serão enviadas aos brasileiros.

Os imunizantes serão distribuídos da seguinte forma:

  • cerca de 6 milhões de doses para a América Latina e o Caribe (Brasil, Argentina, Colômbia, Costa Rica, Peru, Equador, Paraguai, Bolívia, Guatemala, El Salvador, Honduras, Panamá, Haiti, República Dominicana e outros países da Comunidade do Caribe);
  • cerca de 7 milhões para o sul e sudeste Asiático (Índia, Nepal, Bangladesh, Paquistão, Sri Lanka, Afeganistão, Maldivas, Malásia, Filipinas, Vietnã, Indonésia, Tailândia, Laos, Papua Nova Guiné, Taiwan e Ilhas do Pacífico);
  • cerca de 5 milhões para a África, distribuídas entre os países selecionados em coordenação com a União Africana.

As outras 6 milhões de doses restantes serão compartilhadas “diretamente com países que estão passando por surtos”, como Canadá, México, Índia e Coreia do Sul.

0

Esta será o primeiro lote de entrega do governo norte-americano, que se comprometeu a doar, até o final de julho, 80 milhões de doses.

Em nota, a Casa Branca informou que reconhece a necessidade de acabar com a pandemia de Covid-19 em todos os lugares, e não somente nos EUA.

“Enquanto essa pandemia se alastrar em qualquer parte do mundo, o povo americano ainda estará vulnerável. E os Estados Unidos estão empenhados em trazer a mesma urgência aos esforços de vacinação internacional que demonstramos em casa”, assinalou a Casa Branca.

“Agiremos o mais rapidamente possível, cumprindo os requisitos legais e regulamentares dos EUA e do país anfitrião para facilitar o transporte seguro de vacinas através das fronteiras internacionais”, prosseguiu.

Leia aqui a íntegra do comunicado, em inglês.

Últimas notícias