Em junho, o mundo contabilizou uma morte por coronavírus a cada 19 segundos

No sexto mês do ano, foram 136.316 óbitos, uma média de 4.543 mortes por dia

No início do sétimo mês de 2020 e o quarto desde a declaração oficial de pandemia pela Organização Mundial da Saúde, o número de vítimas do novo coronavírus passou de 500 mil no mundo. Só em junho, foram 136.316 óbitos, uma média de 4.543 mortes por dia, segundo balanço divulgado pela Universidade Johns Hopkins.

A conta feita pelo (M)Dados, núcleo de jornalismo de dados do Metrópoles, é ainda mais dolorida: uma pessoa morreu de Covid-19 a cada 19 segundos no último mês. Quase o tempo que você levou para chegar até aqui lendo esta matéria.

Dessas mortes, 30.280 aconteceram em território brasileiro – uma a cada 1 min e 25 segundos. E mais: o Brasil é o único país do mundo que terminou o mês registrando uma média de mais de mil óbitos por dia.

Em relação aos infectados, que somaram 4.224.686 nos últimos 30 dias, a realidade chega à casa de milésimos de segundo. Na velocidade de um piscar de olhos, quase duas pessoas são contaminadas pelo vírus. Para chegar a 100 mil, bastam 17 horas.

Alerta da OMS

Em entrevista coletiva no início desta semana, o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, afirmou que a pandemia do novo coronavírus não está “nem perto de acabar“, e que “o pior ainda está por vir”.

“Muitos países implantaram medidas para suprimir a transmissão e salvar vidas e tiveram sucesso, mas não conseguiram extinguir completamente o coronavírus e estão vendo uma ressurgência nos casos”, afirma o diretor-geral.

Ele lembra que a maioria das pessoas não tem imunidade contra a doença e que ainda há muito espaço para que a Covid-19 se espalhe.

Apesar do surgimento de novos casos em nações que já tinham controlado a epidemia, a OMS acredita que o fato de que o novo vírus ter sido suprimido em um primeiro momento prova que é possível derrotá-lo sem vacinas ou medicamentos.