*
 

Uma carta de três páginas, escrita por um dos passageiros do Titanic um dia antes de o famoso navio ter afundado, foi arrematada por 126 mil libras esterlinas (cerca de 530 mil reais) num leilão na Inglaterra.

O manuscrito, com o timbre do navio, foi escrito pelo passageiro da primeira classe Alexander Oskar Holverson no dia 13 de abril de 1912, um dia antes de o navio ser atingido por um iceberg e ter afundado no Atlântico Norte, causando a morte a mais de 1.500 pessoas. Holverson pretendia enviar a carta para a sua mãe, que morava em Nova York.

A casa de leilões Henry Aldridge & Son, especializada em memorabilia do Titanic, afirmou que essa foi “a carta mais importante do Titanic que já vendeu” devido ao seu conteúdo, contexto histórico e raridade.

Na carta, dirigida à “minha querida mãe” e manchada com marcas de água salgada, o empresário americano Holverson, cuja esposa Mary sobreviveu ao naufrágio, descreveu o Titanic como sendo de Reprodução”um tamanho gigantesco e equipado como um hotel palaciano”, e acrescentou: “A comida e a bebida são excelentes”.

“Se tudo correr bem, chegaremos a Nova York, quarta-feira, mãe”, acrescentou. Além disso, Holverson afirmava na carta que havia acabado de conhecer “aquele que é atualmente a pessoa mais rica do mundo”, John Jacob Astor. “Ele se parece como qualquer outra pessoa”, escreveu. Astor era hoteleiro, autor e inventor e também perdeu a vida no naufrágio.

A carta, uma das últimas conhecidas a ter sido escrita a bordo pelas vítimas do desastre, foi encontrada no caderno de bolso de Holverson quando o seu corpo foi resgatado do mar e enviado à família.

Após o leilão na cidade de Devizes, o leiloeiro Andrew Aldridge falou que a suma recorde para a carta do Titanic foi paga por um colecionador britânico. Além do manuscirto, foi vendido um molho de chaves enferrujado de um camareiro do navio, que sobreviveu ao naufrágio no Atlântico Norte, por 76 mil libras (320 mil reais) e duas fotografias provenientes do navio, por 24 mil libras (101 mil reais).

 

 

COMENTE

Titanic
comunicar erro à redação

Leia mais: Mundo