*
 

A crueldade de um crime chocou a Argentina, neste sábado (15/10). Lucía Pérez, de 16 anos, foi drogada, estuprada e morta por empalamento com uma estaca de madeira, no balneário de Mar del Plata. Os suspeitos do assassinato são de uma gangue de traficantes. Eles a raptaram quando a jovem saía da escola.

A morte de Lucía mobilizou lideranças femininas de todo o país, que convocam um levante de combate à violência de gênero. Nesta quarta-feira (19/10), a Argentina terá uma greve nacional de mulheres como forma de protesto. A organização “Ni una menos” convidou  argentinas a paralisarem suas atividades de 13h às 14h. Outros países, como o Chile, aderiram ao ato e também convocaram greve.

“Com a raiva pelo feminicídio de Lucía en Mar de Plata, pelo ódio de uma mãe que mata sua filha lésbica, pelas adolescentes esfaqueadas em La Boca e com a repressão sofrida no Encontro Nacional de Mulheres em Rosário, chamamos a sair de nossos lugares de trabalho e de nossas casas na próxima quarta, às 13h, para visibilizar os feminicídios e a precarização da vida das mulheres”, publicou uma das organizadoras da manifestação Florencia Minici

A promotora responsável pelo caso, Maria Isabel Sánchez, informou à BBC que o corpo de Lucía foi deixado em um hospital de Mar Del Plata. O cadáver havia sido banhado e vestido com roupas, inclusive calcinha.

Nunca vi um conjunto de fatos tão aberrantes"
Maria Isabel Sánchez, promotora

Sánchez suspeita que Lucía conhecia um dos agressores. Dois suspeitos – Matías Farías, de 23 anos, e Juan Pablo Offidani, de 41 anos – foram presos no domingo na casa em que o crime teria ocorrido. A Justiça argentina pediu ainda a prisão preventiva de um terceiro suspeito.

A vítima, que cursava o quinto ano do ensino médio, era filha de uma família trabalhadora, que se mobilizou com milhares de moradores para exigir uma “condenação exemplar” aos assassinos.

A região onde o crime ocorreu tem registros de tráfico de mulheres. Com 600 mil habitantes, Mar del Plata é o município argentino com o maior número de condenações por exploração sexual, de acordo com informações da BBC.

Não podemos encarar casualmente o fato de que Lucía foi violada e morta em Mar del Plata, onde já se mataram mulheres impunemente para proteger as redes de tráfico de mulheres"
disse, em comunicado no Facebook, a ONG Ni Una Menos

No Brasil, o crime gerou perplexidade, apesar da falta de visibilidade do assunto na grande mídia. Nas redes sociais, a #niunamenos reuniu apoio aos protestos argentinos.

 

 

COMENTE

ArgentinaLucía Pérez
comunicar erro à redação

Leia mais: Mundo