Após diagnóstico errado, criança de 3 anos morre nos braços da mãe

Eilish Flanagan chegou a levar sua filha 11 vezes ao hospital, sempre recebendo o mesmo diagnóstico: constipação infantil

Reprodução / FacebookReprodução / Facebook

atualizado 05/09/2019 14:38

Eilish Flanagan é mãe de Aoife Flanagan Gibb, uma garotinha de três anos que faleceu após os médicos realizarem diversos diagnósticos errados. Acontece que Eilish levou sua filha ao hospital 11 vezes. E, em todas as idas, a garota era diagnosticada com constipação infantil, que ocorre quando bebês e crianças pequenas têm dificuldades para evacuar. Mas na verdade, Aoife tinha uma forma rara de câncer de estômago, que só foi diagnosticado cinco dias antes da sua morte. 

Foi completamente inesperado, ela teve uma parada cardíaca enorme. Eu a segurei porque sabia que algo estava errado. Foi então que ela morreu em meus braços. Eu estava pesquisando sobre o câncer de células germinativas. É raro, mas muito real, pode acontecer com qualquer pessoa”, relatou Eilish ao jornal The Mirror. 

Durante as idas e vindas ao hospital, Flanagan chegou a ser questionada pelos médicos. “Não se trata de culpa ou raiva. É de prestação de contas. Na primeira noite no Hospital Southend, eles me disseram que eu não estava alimentando ela adequadamente. Disseram que ela precisava de mais exercícios. Porém, ela tinha um cavalo e a cavalgava todos os dias”, declarou. 

Atualmente, a mãe da garota está lutando para fazer a diferença no mundo. Tudo em nome de sua filha. Com isso, ela está no processo de criar a primeira e única instituição de células germinativas do Reino Unido. Eilish pretende aumentar a conscientização das pessoas e gerar dinheiro para ajudar outras crianças com o mesmo problema de sua filha. 

“Assim que ela faleceu e eu estava fora do hospital, sabia que não poderia terminar aí. Sua vida neste planeta, não poderia ser apenas isso. Precisávamos fazer algo pelas outras crianças. Eu estava pesquisando sobre o câncer de células e percebi que ele é raro, mas ocorre. Eu doei parte de seus órgãos, tecidos e tumores aos médicos. Para que possamos aprender a dar mais chances a outras crianças. Não poderia ser em vão”, declarou Eilish ao The Mirror. 

Sobre sua filha, Eilish desabafou: “Ela tinha seu próprio pônei shetlend, chamado Bubbles. Ela era uma criança selvagem. Também gostava muito da rainha Elsa, de Frozen. Foi seu primeiro amor. Ela adorava a loja de brinquedos Paw Patrol. Nós tínhamos acabado de ir ao cinema para assistir um filme, uma semana antes dela ser diagnosticada com o câncer. Aoife era tão feliz, borbulhante e saltitante. E a melhor palavra para descrevê-la é gentil”.

Últimas notícias