Viena é uma entidade cultural desde a Idade Média. A cidade fez parte do Sacro Império Romano-Germânico e do Império Austríaco, se recuperou da destruição de duas guerras mundiais e de ocupações estrangeiras. Os compositores Beethoven, Mozart, Schubert, Haydn e Johann Strauss adotaram a metrópole como lar, transformando a capital austríaca na “Cidade da Música”.

A região também acolheu os cineastas Fritz Lang, Billy Wilder e Fred Zinnemann, assim como Sigmund Freud, virando o berço da psicanálise. Nos museus e palácios de Viena, há preciosas coleções de antropologia, artes clássica e moderna, incluindo um grande acervo de Gustav Klimt. Com esses atrativos históricos bem estabelecidos, a cidade busca agora mostrar o que tem de moderno.

O Metrópoles fez parte de uma comitiva, com 60 jornalistas e influencers de turismo, convocada para um tour jovem e inovador na região. A Câmara de Turismo da capital austríaca propõe, nesse novo roteiro, visitas a fazendas urbanas, vinícolas orgânicas e exposições de design. Mas não deixa de fora os museus tradicionais e prédios antigos completamente reformados como o Teatro Odeon, ex-sede da Bolsa de Valores Agrícolas, que resistiu a bombardeios da Segunda Guerra Mundial.

Com 1,9 milhão de habitantes, a capital da Áustria foi nomeada, em 2018, a melhor cidade do mundo para se viver pela revista The Economist. Um dos motivos é que está se transformando em uma metrópole vibrante e animada. As ruas clássicas e aristocráticas agora abrigam também lojas de design, café hipsters, galerias de arte contemporânea, restaurantes descolados e estúdios de estilistas jovens. Além disso, Viena virou ponto de encontro de turistas gays: recentemente ganhou o título de Melhor Destino do Ano pelo Prêmio LGBTI da Austrália.

A nova cara da Áustria?

Konstantin Filippou

Chef com 2 estrelas Michelin, conquistadas em 2014 e 2018. Filho de pai grego e mãe austríaca, abriu seu restaurante em 2013

Lilli Hollein

Diretora e cofundadora da Semana de Design de Viena desde 2007. Focada em apresentar o design como um componente do bem-estar cotidiano, e não apenas como uma virtude estética

Jasper Sharp

O curador do Museu Kunsthistorisches é britânico. Ele mudou-se para a capital austríaca em 2006 e espera viver lá para sempre

Conchita

Vencedora da competição Eurovision 2014, a diva barbada é hoje um símbolo da comunidade LGBT e está lançando disco gravado com a Orquestra Sinfônica de Viena

Mas o passado pomposo do país ainda aparece em todo lugar. A arquitetura e o planejamento urbano de Viena refletem as correntes estéticas clássicas que se estabeleceram no continente europeu antes do século 20. No centro turístico da cidade, por exemplo, predomina o traço barroco na antiga catedral e nos palácios imperiais.

Bairros mais jovens reconstruídos após os intensos bombardeios da Segunda Guerra Mundial seguem o mantra modernista: “Forma é função”. Esses projetos levaram em conta, acima de tudo, a praticidade da estrutura, planejando-a da maneira mais eficiente possível, e deixaram a estética em segundo plano.

Durante os séculos 20 e 21, o visual foi escanteado na Áustria, um ou outro arquiteto valorizava essa característica. Houve uma recusa generalizada da academia e dos profissionais da área em discutir o assunto. O designer gráfico Stefan Sagmeister está em uma cruzada para reintroduzir a estética nas cidades do país europeu.

A exposição MAK Vienna, com curadoria de Sagmeister, quer provocar o espectador e levantar a discussão sobre visual versus design urbano. Para o artista, a beleza não é abstrata ou subjetiva: as pessoas geralmente concordam sobre o belo.

Em uma das instalações da mostra, um totem pergunta ao visitante: “Qual cor é a mais bonita?”. Sem saber a resposta dos colegas, os espectadores elegeram o tom azul em primeiro lugar e o marrom em último. A tendência da maioria em concordar sobre estética está em todo tipo de contexto, inclusive em fotografias, rostos e cidades.

Um dos pontos interessantes, entretanto, em desenhar projetos urbanos que dão destaque ao visual é avaliar a reação das pessoas que passam por essas estruturas. O curador, por exemplo, comparou as redes sociais de usuários de duas estações ferroviárias de Nova York, a Penn Station (puramente funcional) e a Grand Central Station (uma joia arquitetônica). As postagens no Instagram e Facebook ilustram a frustração e o mau humor, mesmo inconsciente, de quem tem experiências meramente utilitárias contra o alívio dos que se veem cercados por uma obra de arte.

A exposição é composta por 70 grupos de objetos separados pelo curador por diferentes temas: “O que é Beleza?”, “A História da Beleza”, “A Beleza Está nos Olhos de Quem Vê”, “Experimente a Beleza”, “Transformando a Beleza” e “Os Arquivos da Beleza”.

O museu que abriga a exposição reúne obras de arquitetura, design, mobiliário e criações multimídia em um edifício clássico. O prédio, construído em 1863 pelo império real, já tinha a função de apresentar objetos de arte. A estrutura das salas de exibição já passou por várias intervenções de artistas como Ludwig Baumann e Sepp Müller.

No tour clássico de Viena, também está um local inusitado: o Museu de Globos, um prédio pequeno e singular dedicado apenas a globos terrestres e celestiais. O endereço é um dos favoritos de Jasper Sharp, curador do Museu Kunsthistorisches.

Sob responsabilidade da Biblioteca Nacional da Áustria, o museu abriga objetos do século 16 até dos anos 1970. São mais de 250 peças em quatro coleções diferentes. O globo mais antigo é de 1536 e foi criado por Gemma Frisius – com certeza, ela nunca imaginou que sua obra um dia seria exibida em um lugar tão peculiar.

Cada objeto retrata como o mundo era visto à época. Fãs de história podem observar a formação e o declínio de impérios ao longo dos séculos e descobrir como antigos cartógrafos mapeavam locais então desconhecidos.

O processo de como cada obra foi feita está descrito nas placas de identificação e há ainda uma comparação entre o uso de globos esféricos e mapas de mesa. Desenhos de constelações também estão presentes no museu, eles foram instrumentos importantes para navegação, astrologia e arte esotérica.

Viena vai além de música, história e arte. A cidade é a única capital do mundo com a indústria de vinhos em crescimento. As vinícolas estão a 30 minutos do centro e se espalham por 700 hectares. Apesar de a produção do país não ser muito conhecida, os austríacos cultivam parreiras há mais de dois milênios e produzem anualmente 2,4 milhões de litros da bebida, de uvas como Chardonnay, Riesling, Veltliner e Traminer.

Há três décadas, Fritz Wieninger trabalha com vinho. O agricultor controla todos os passos e procedimentos de suas vinícolas: conhece o gosto de cada uva de seu terreno. O segredo do seu produto está nos morros onde crescem as parreiras, no tempo de exposição ao sol que as folhas recebem em cada temporada e nas temperaturas da região. A mudança climática, entretanto, tem afetado quais tipos da fruta são plantados e como o solo é preparado. Técnicas de biodinâmica previnem o uso pesticidas sintéticos e, por isso, quase 30% da safra austríaca recebem o selo de certificação orgânica.

Mantendo tradições austríacas, a vinícola Wieninger não tem cercas nem muros e pode ser visitada a qualquer hora por curiosos e andarilhos. Durante o ano, nos quiosques espalhados pelo terreno, ficam expostos os produtos cultivados. Os empresários sinalizam que a temporada está aberta com um galho de árvore pendurado de ponta-cabeça. Aos visitantes, são servidos comidas frias e vinho – nada de cerveja ou Coca-Cola.

O processo artesanal do plantio não está presente na pós-colheita. Todos os equipamentos e procedimentos são de última geração. Família tradicional, os Wieninger montaram a operação de fermentação em uma antiga igreja de 1600. O local foi comprado há dois séculos, quando os ex-proprietários, monges da região que alugavam seu imenso porão para quem quisesse estocar grãos e barris de vinho, se mudaram.

As paredes de pedra contrastam com os tonéis de aço e com o encanamento moderno do processador que transforma suco de uva em vinho. Hoje, centenas de barris ocupam o imenso porão escuro e úmido.

Atualmente, os vinhedos Wieninger exportam 40% da produção para 37 países, desde o Peru até a China. No último Natal, Fritz viajou com a família para a Nova Zelândia. Lá, ele descansou e conheceu distribuidores interessados em excelentes vinhos austríacos.

Café com Cogumelos

Luiz Oliveira/Metrópoles

A marca Hut & Stiel cultiva cogumelos em fazendas urbanas. Os criadores usam a borra do café que sobra no coador como base para a plantação

Cerca de 94% dos cogumelos consumidos na Áustria são importados. A marca Hut & Stiel quer diminuir esse número e, por isso, vem apostando em produtos cultivados em fazendas urbanas. Os empresários usam a borra do café que sobra no coador como base para a plantação. Para conseguirem matéria-prima, eles criaram uma rede de coleta e reaproveitam os resíduos jogados no lixo pelos restaurantes da cidade.

As “fazendas” são montadas em porões de prédios residenciais, pois imobiliárias alugam esses espaços, normalmente ociosos, por valores baixos. Os criadores controlam o tempo inteiro a umidade e a temperatura do ambiente. Para dar início à plantação, os micélios dos cogumelos são misturados à borra do café e a um mix de nutrientes de solo. Em seguida, eles são embalados em sacos de lixo pretos e pendurados até que brotem os fungos comestíveis. O processo de cada “plantio” leva cerca de quatro semanas.

A Hut & Stiel colhe semanalmente uma média de 150 quilos de cogumelos, provenientes de 1 mil quilos de café. Cada quilo é vendido por 19 euros a restaurantes locais. Atualmente, a empresa está aumentando sua capacidade e o objetivo é processar 4 mil quilos de café por semana.

Escargots à la Viennoise

Luiz Oliveira/Metrópoles

Os primeiros mercados exclusivos para produtores de escargots se estabeleceram na Áustria em 1800

Os famosos caracóis, normalmente ligados à culinária francesa, são consumidos por seres humanos há pelo menos cinco milênios. Descobertas arqueológicas já comprovaram que, durante o Império Romano, pessoas grelhavam a iguaria no fogo. Na Áustria, a presença do alimento vem de 1800, quando se estabeleceram os primeiros mercados de produtores especializados. Até hoje, existem festivais específicos espalhados pelo país para esses empresários.

Andreas Gugumuck cria escargots na pequena fazenda da família há sete anos. Em 2015, a empresa tornou-se a única do país com produção certificada pela União Europeia. Suas mais de 300 mil lesmas vivem em uma área de dois quilômetros quadrados. Os caracóis ocupam o espaço durante a primavera e o verão. No inverno, a população é guardada nos porões, em estado de hibernação. Muito rica em proteína, o consumo de 150 gramas ou mais de sua carne pode até causar choque proteico.

O cultivo de caracóis pode ser uma prática altamente sustentável para o planeta. Para conseguir 1 quilo da carne, são necessários 200 espécimes do animal. Mas toda a produção consome menos recursos que a de carne bovina. Os fãs desse alimento podem visitar o pequeno restaurante da fazenda. No cardápio do local, há sete pratos diferentes, incluindo caviar de escargot, fígado de escargot e o animal inteiro cozido em açúcar ou banhado em chocolate.

A Fazenda Vertical

Luiz Oliveira/Metrópoles

Erwin Gegenbauer dedica a sua vida a produzir vinagre de qualidade. Ele vende mais de 70 tipos diferentes do tempero

Quando tinha 14 anos, o austríaco Erwin Gegenbauer largou por dois dias uma garrafa de vinho tinto aberta em seu quarto. A bebida de qualidade se transformou em um vinagre atípico e delicioso. Depois dessa experiência, o jovem percebeu a importância de ingredientes perfeitos para a formulação de produtos gourmet.

Anos mais tarde, após vender a empresa da família, ele decidiu se dedicar à produção de seu tempero favorito. Enquanto os concorrentes usavam vinhos baratos, Gegenbauer investiu tempo e dinheiro para encontrar matéria-prima de qualidade.

Hoje, o austríaco exporta vinagres mundo afora. O empresário produz mais de 70 tipos, todos feitos a partir de insumos variados como maçã, mirtilo, figo, tomate, pimenta-vermelha e até aspargo. A maior parte da produção está dentro de sua residência, um prédio que virou uma fazenda vertical. Lá, ele cria galinhas, mantém duas hortas e mói café. Há ainda uma pequena pousada em um dos andares, onde a família Gegenbauer recebe cinco grupos de hóspedes por ano.

Mas a obra-prima da fazenda é o óleo de framboesa. O empresário desenvolveu e testou o produto durante oito anos e atualmente produz mais de 2 litros por dia. Além de exportar, Gegenbauer usa a invenção para alimentar suas galinhas. O resultado são ovos com um leve gosto do fruto silvestre.


Diretora-Executiva
Lilian Tahan
Editora-Executiva
Priscilla Borges
Editora-Chefe
Maria Eugênia Moreira
Coordenação
Olívia Meireles
Reportagem
Luiz Oliveira
Revisão
Denise Costa
Edição de Arte
Gui Prímola
Design
Moisés Dias
Tecnologia
Allan Rabelo
Andre Marques
Jonatas Delforge
Saulo Marques
Vinícius Paixão