Ibaneis lamenta morte de ex-secretário de Segurança: “Deixa exemplos”

Coronel João Manoel Brochado ocupou a cadeira durante a primeira gestão de Joaquim Roriz e foi suplente na Câmara dos Deputados

atualizado 17/02/2022 20:03

Reprodução / Exército

O governador Ibaneis Rocha (MDB) lamentou, nesta quinta-feira (17/2), a morte do coronel João Manoel Brochado, que ocupou a Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal (SSP-DF) durante a primeira gestão do ex-governador Joaquim Roriz.

O militar foi criador do Sistema de Instrução Militar do Exército e também da Rondas Ostensivas Candango (Rocan), com o objetivo de reduzir os índices de criminalidade na capital federal. Brochado também ocupou a suplência quando o ex-deputado federal Jofran Frejat se licenciou da Câmara dos Deputados para assumir a Secretaria de Saúde.

 “O coronel João Manoel Brochado é um homem que deixa exemplos a serem seguidos. Se especializou no combate à criminalidade usando inteligência, com programas de mapeamento de crime e foi o criador da Rocan, reduzindo drasticamente os índices de criminalidade na época; foi um exemplo de autoridade, que respeitava a autonomia das forças, oferecendo meios para o aperfeiçoamento dos profissionais”, afirmou o governador.

Ainda segundo Ibaneis, o coronel Brochado representou a população do DF de forma virtuosa durante dois momentos quando teve assento no Congresso Nacional.

“A morte do coronel Brochado priva o DF de um homem que trabalhou com afinco para que todos pudéssemos ter uma cidade mais segura e acolhedora”.

Em 2018, o Comando de Operações Terrestres (COTER) prestou uma homenagem ao ex-secretário que em meados da década de 1970 deu origem aos Programas-Padrão de Instrução. Na oportunidade, o auditório da unidade recebeu o nome do coronel.

O militar da reserva foi enterrado, ainda nesta quinta, durante solenidade com presença de familiares e amigos no Cemitério Campo da Esperança, em Brasília. O ex-secretário tinha 94 anos.

 

 

Mais lidas
Últimas notícias