Cotado para a Justiça, Jorge Oliveira tem encontro com Bolsonaro

O secretário de Assuntos Fundiários da Agricultura, Luiz Nabhan Garcia, cotado para substituir Tereza Cristina, também está na reunião

Cotado para o posto de ministro da Justiça e Segurança Pública, no lugar de Sergio Moro, o atual ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência, Jorge Oliveira, teve um encontro, na manhã deste sábado (25/04), com o presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido).

Além dele, o secretário de Assuntos Fundiários do Ministério da Agricultura, Luiz Nabhan Garcia, candidato a substituto da atual ministra, Tereza Cristina (DEM), também participou da reunião.

Oliveira chegou às 10h em seu carro pessoal ao Palácio da Alvorada, residência oficial da Presidência. Ele entrou sem falar com a imprensa ou acenar aos apoiadores do presidente que costumam ficar na frente do palácio. Ele ficou na residência oficial até 12h15, quando saiu, novamente sem falar (foto em destaque).

Oliveira despontou como alternativa a Sergio Moro no comando do Ministério da Justiça. O ex-ministro pediu a demissão alegando que Bolsonaro queria “relatórios de inteligência” da Polícia Federal e que estaria interferindo no trabalho dela.

O estopim da crise foi a exoneração, sem o conhecimento de Moro, do então diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo.

A reunião está sendo acompanhada por membros do governo, entre eles o ministro do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno.

Agricultura

Um pouco mais tarde, por volta das 10h15, o secretário de Assuntos Fundiários do Ministério da Agricultura, Luiz Nabhan Garcia chegou ao palácio. Ele é cotado para assumir a titularidade da pasta, após a ministra Tereza Cristina ter se queixado ao presidente das críticas que a sua base de apoio tem feito à China – principal parceiro econômico do Brasil e maior comprador de produtos agropecuários.

Além disso, Cristina é do DEM, mesmo partido de Luiz Henrique Mandetta, ex-ministro da Saúde, e do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, ambos desafetos do presidente Bolsonaro.